Conexão Ásia-América Latina

Chineses farão aporte bilionário na Azul

Companhia aérea brasileira anuncia investimento de R$ 1,7 bilhão do conglomerado HNA Group em troca de participação acionária


O conglomerado chinês HNA Group escolheu a Azul Linhas Aéreas Brasileiras para receber seus primeiros investimentos na América Latina. Trata-se de um dos maiores aportes internacionais a uma empresa brasileira neste ano. Segundo a empresa brasileira, os chineses assinaram um compromisso firme de investir R$ 1,7 bilhão por 23.7% do valor econômico da companhia, o que tornará o HNA Group o mais novo acionista da Azul. A transação dará ao grupo estrangeiro direito de escolher um dos integrantes do conselho da aérea brasileira. O objetivo da Azul com o contrato é obter um dos mais fortes balanços da América Latina.

Com receita anual de US$ 25,6 bilhões e mais de 110 mil funcionários, o HNA Group se tornou em pouco mais de duas décadas um conglomerado global com atuação em setores como aviação, indústria, financeiro, turismo e logística. Os chineses atuam no financiamento de aeronaves e têm participação na Swissport, uma empresa de handling do setor. No total, o HNA Group controla 14 companhias na área de aviação e soma uma frota de 528 aeronaves.

 “O investimento de R$ 1,7 bilhão no cenário atual do Brasil demonstra que temos um modelo de negócio confiável", diz Antonoaldo Neves, presidente da Azul. " Esse aporte coloca nossa empresa como a mais valiosa aérea do mercado brasileiro, atingindo um valor de mais de 7 bilhões de reais”. 

A expectativa da Azul é que o investimento gere fortalecimento do caixa, continuidade do plano de renovação de frota, melhoria de produtos e serviços e amortização de dívidas. "Também temos uma excelente oportunidade de entrar no mercado asiático por meio de acordo de interline e codeshare”, afirma David Neeleman, fundador e CEO da Azul.

 A Azul Linhas Aéreas Brasileiras tem uma frota de 140 aeronaves, mais de 10.000 funcionários, mais de 900 voos diários, aproximadamente 100 destinos servidos e um terço do total de decolagens do país. 

Da redação

Publicado em 24 de Novembro de 2015 às 08:02


Notícias