Na última vez nem o 727 existia

Após 58 anos Boeing encerra janeiro sem novos pedidos

Crise com o 737 MAX e desaceleração do mercado impactaram resultados


Primeiro voo do 777-9 poderá ampliar interesse do mercado pelo modelo

Pela primeira vez em quase 50 anos a Boeing encerrou um mês sem nenhum novo pedido, fato registrado em janeiro de 2020. O fato não ocorria desde 1962, época em que a linha de montagem só contava com o 707 em produção e a Boeing ainda trabalhava no projeto do futuro 727. O número de entregas fechou o mês com 10 aviões, dos quais seis 787, dois 777 e dois 767F.

LEIA TAMBÉM

O principal motivo na queda de pedidos e entregas se refere a paralisação do 737 MAX, principal produto da fabricante norte-americana. Com as incertezas de uma data final para retorno das operações, a Boeing optou por paralisar a produção do modelo, afetando seu ritmo de entregas. O mercado também aguarda uma confirmação dos prazos para retomar as análises para novos pedidos, inclusive de empresas que já possuem o 737 MAX encomendados e esperavam já estar adicionando pedidos adicionais.

O chefe da FAA, Steve Dickson, informou que o voo de certificação da aeronave poderá ocorrer nas próximas semanas e afirmou que está satisfeito com os progressos da Boeing na resolução dos problemas.

A Boeing também espera que o primeiro voo do 777-9 permita o mercado voltar sua atenção para o modelo, que promete manter a liderança da família 777 nas vendas de aeronaves de longo curso e grande capacidade. Já o 787 sofre com o desaquecimento do setor, que está crescendo menos do que o esperado, afetando especialmente a faixa de mercado atendido pelo modelo.

ASSINE AERO MAGAZINE COM ATÉ 76% DE DESCONTO

Por Gabriel Benevides

Publicado em 13 de Fevereiro de 2020 às 08:30


Notícias notícia de aviação aeronave avião Boeing 737 777-9 787 767 727 707 FAA 737 MAX 777X