O futuro do Salgado Filho

Polêmica em torno da obra na pista do aeroporto de Porto Alegre

Por André Vargas em 22 de Fevereiro de 2015 às 00:00

A ampliação da pista do Aeroporto Internacional Salgado Filho (SBPA), em Porto Alegre (RS), está em discussão há pelo menos 18 anos, desde o início das obras para a construção de seu Terminal 2. Porém, o tema ganhou urgente relevância quando setores da sociedade civil, capitaneados pelo Conselho Regional de Engenharia do Rio Grande do Sul (CREA-RS), contestaram o atraso para o início da obra e colocaram na pauta a possibilidade de construção de um novo aeroporto internacional, a ser erguido na cidade de Portão ou em Nova Santa Rita, ambas na região metropolitana.

A polêmica ganhou força diante do momento político delicado para o governo federal no Rio Grande do Sul, já que o PT não fez sucessor nas eleições estaduais e a atual chefia da Secretaria de Aviação Civil (SAC) está nas mãos do gaúcho Eliseu Padilha. Os defensores do novo aeroporto dizem que, se a obra não saiu com o governo estadual alinhado ao federal, as chances diminuíram ainda mais diante da nova realidade política. Outra crítica é que a ampliação em 920 metros da pista do Salgado Filho, quando concluída, já estará defasada. Sem contar que o aeroporto continuaria incapaz de embarcar as exportações aéreas gaúchas, já que a pavimento seria incapaz de receber grandes cargueiros, como o 747 e o Antonov. De acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, só 10% das exportações do Rio Grande do Sul decolam de Porto Alegre. As demais são despachadas via Cumbica, Galeão e Viracopos.

Na soma das queixas, abriu-se espaço para a discussão de que o aeroporto dentro da cidade atravanca o desenvolvimento imobiliário. Nesta conta entra também a Base Aérea de Canoas, sede do V Comar, distante apenas cinco quilômetros para o norte. As duas áreas somadas chegam a 1.200 hectares, com um valor imobiliário estimado de R$ 10 bilhões. Melvis Barrios Jr., presidente do CREA-RS defende uma discussão sobre a necessidade de um novo aeroporto. Os recursos viriam de parcerias com empresas interessadas em investir nos terrenos da base e do aeroporto. “O Salgado Filho está se tornando um porta-aviões na cidade. Ampliar (a pista) é uma visão de curto prazo. Logo tudo estará sucateado, defasado”, diz.

Números e valores

  • R$ 660 milhões é o custo estimado para a ampliação do aeroporto.
  • 7,6 milhões de passageiros/ano.
  • 2.280 m é comprimento da pista atual.
  • 3.200 m será o comprimento da pista ampliada.
  • R$ 248 milhões foi o gasto só pelo município de Porto Alegre com as desapropriações de moradores das vilas Dique e Nazaré.

Desapropriações

A proposta passaria batido em outros lugares, não fosse o pendor gaúcho a debates acirrados e a capacidade de políticos e agentes do governo de meterem os pés pelas mãos. Em 16 de janeiro, pouco antes de o debate ganhar corpo, o ministro Padilha afirmou que não havia necessidade de a pista ser ampliada. Uma semana depois, afirmou ter sido mal interpretado. Nesse meio tempo, a prefeitura já havia gasto parte dos R$ 248 milhões destinados às desapropriações. Em 6 de fevereiro, o presidente da Infraero Antonio Gustavo Matos do Vale revelou à imprensa local que o projeto de ampliação estava parado por causa do hoje ex-governador Tarso Genro, que apoiaria a construção de um novo aeroporto.

Presidente da Associação Nacional em Defesa dos Direitos dos Passageiros do Transporte Aéreo (Andep) e membro da Comissão Especial de Defesa do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RS), o piloto privado Claudio Candiota Filho levou o debate para o Ministério Público estadual. “Essa obra (do novo aeroporto) não sairia em menos de 40 anos por mais do dobro do preço”, afirma. Candiota argumenta que a proposta do CREA-RS é estapafúrdia. “Seria como querer demolir La Guardia, Newark e Teterboro por estarem em áreas valorizadas perto de Nova York. Daqui a pouco vão querer demolir Congonhas, Campo de Marte e Santos Dumont”, diz. Sem contar os atrasos nas obras públicas e o risco de superfaturamento.

Pressionadas, SAC e Infraero passaram a considerar “em análise” a obra de ampliação da pista, estimada em R$ 660 milhões. Em nota, a Infraero afirmou que a nova pista será capaz de receber aeronaves cargueiras tipo 747-400, se levados em conta destino, escalas e quantidade de combustível. Os novos 920 metros de pista evitariam pousos complicados. Em 19 de janeiro, um avião da Azul com destino a Confins teve de fazer um pouso de emergência na base de Canoas, cuja pista tem 471 metros a mais de extensão do que a do Salgado Filho. Em 23 de dezembro, um 767 da American, com destino a Miami, teve problemas e precisou retornar a Porto Alegre. Diante da pista curta, acabou sobrevoando a região metropolitana para alijar combustível e pousar usando quase todo o pavimento, o que gerou reclamações dos passageiros. Se a pista já tivesse 3.200 metros, o pouso teria sido bem mais tranquilo. Antes de tudo isso ser solucionado, espera-se que o Terminal 3 do Salgado filho, previsto para ser entregue para a Copa, fique pronto.

Argumentos de cada lado

Pelo novo aeroporto Pela ampliação da pista
  • Mesmo com a ampliação, o aeroporto continuaria subutilizado, já que o pavimento da pista não teria condições para receber grandes cargueiros.
  • Só 10% das exportações aéreas gaúchas saem do Salgado Filho. As demais saem por Cumbica, Galeão e Viracopos, principalmente.
  • O principal terminal utiliza mais de 90% de sua capacidade.
  • Mesmo com a entrega do novo terminal (previsto para a Copa), o aeroporto ficará estrangulado de novo em cerca de dez anos.
  • O Salgado Filho continuaria com uma única pista, quando seriam necessárias duas.
  • O aeroporto restringe o desenvolvimento imobiliário da região norte de Porto Alegre, limitando a altura dos prédios na cabeceira leste.
  • O valor dos terrenos do aeroporto e da base aérea de Canoas, cerca de R$ 10 bilhões, seria o suficiente para construir um novo aeroporto internacional no município de Portão, distante 37 quilômetros da capital, ou em Nova Santa Rita, a 27 quilômetros.
  • Risco Brasil: se a ampliação está parada há 15 anos, um novo aeroporto demoraria muito mais.
  • Superfaturamento é uma possibilidade real.
  • Não há estudo técnico de viabilidade
  • As desapropriações para ampliação da pista já estão em andamento
  • Há limitações ambientais em Portão e em Nova Santa Rita.
  • O tempo de deslocamento para o novo aeroporto aumentaria em duas horas, no mínimo, por uma BR-116 congestionada.
  • Poucas capitais possuem um aeroporto internacional a 15 minutos de táxi do centro.

Infraestrutura aeroporto Porto Alegre obra pista Aeroporto Internacional Salgado Filho SBPA Infraero Antonio Gustavo Matos do Vale

Artigo publicado nesta revista

Le Bourget

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 172,80R$ 302,40R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 43,20R$ 129,60R$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 54,08 6x R$ 47,68
Assinando agora você GANHA também CHAVEIRO PORTA COPOS
Le Bourget

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas