AERO Magazine

Concorde

O dia que a força aérea brasileira interceptou o Concorde voando acima da velocidade do som

A inusitada interceptação do supersônico francês por um caça da Força Aérea Brasileira a Mach 1.4

Marco Rocha em 21 de Janeiro de 2019 às 16:00

Concorde em voo subsônico na aproximação para o continente. Fotos: Divulgação, exceto quando citado.

Idos de 1985, época em que voava como capitão-aviador no 1º Grupo de Aviação de Caça na Base Aérea de Santa Cruz, no Rio de Janeiro. Numa bela tarde de muito sol e calor, ouço a sirene de alerta "cinco", após o qual o "caçador" tem no máximo cinco minutos para decolar.

Deixo o solo e recebo orientação para voar no rumo leste. Estranho, uma vez que nossos voos costumavam partir com rumo oeste, no sentido da Serra do Mar e do Vale do Paraíba. Voo no rumo de Maricá e recebo autorização para acelerar a Mach 0.92, (aproximadamente 1.130 km/h) subindo sem restrições para 47.000 pés). Sintonizando a frequência da Defesa Aérea (THOR), recebo a posição de um alvo. Devo me aproximar de uma aeronave comercial, sem manobra de interceptação e acompanhá-la até o Rio de Janeiro.

Concorde da Air France em rara foto que mostra o momento exato que foi interceptado pelo F-5 da FAB. Foto: Marco Rocha

Ao indagar o THOR sobre a posição exata do avião, sou surpreendido com a informação de que o jato estaria a 227 quilômetros, voando no nível 650 (65.000 pés) com velocidade de cruzeiro de Mach 2.2 (mais de duas vezes a velocidade do som, aproximadamente 2.700 km/h). Sim, só um tipo de avião comercial poderia apresentar tal performance: o Concorde*.

Sou vetorado para a posição ARMIS, que é o último fixo da aerovia especial que serve esse voo supersônico, criada especificamente para o Concorde no trajeto entre Dakar e o Brasil. Em voo sempre levava com uma câmera fotográfica Olympus Pen EES-2, deixo-a pronta para registrar o encontro com a aeronave da Air France, que se aproxima cada vez mais do continente. Não demora muito para ter o primeiro contato, ainda que apenas uma leve trilha de condensação 180 quilômetros à frente. A satisfação é a mesma de um caçador no momento em que avista a raposa. THOR informa que o Concorde iniciou a descida para o nível 400 (40.000 pés) e desaceleração para Mach 1.2.

Concorde foi o único avião civil supersônico a operar de forma regular por várias décadas. Brasil foi o primeiro destino do modelo, decolando de Paris rumo ao Rio de Janeiro, com escala no Dakar.

Executo, então, uma curva para interceptação, aproximando-me a sete horas do tráfego, com velocidade de Mach 1.4. Minutos mais tarde, o voo da Air France começa a aproximação para pouso no Galeão e reduzo a velocidade ainda mais. Me "encaixo" numa posição de seis horas, ou seja, logo à cauda do avião supersônico, que desce para o nível 300 (30.000 pés), mas ainda com velocidade bem mais alta do que a dos outros jatos comerciais.

O Concorde operou regularmente no Brasil até 1982, retornando ao país em ocasiões especiais até 1998.

Já sobre o continente, na área de São Pedro da Aldeia, sou surpreendido por uma manobra do Concorde que só poderia ter sido executada sobre o mar. Ao cruzar 20.000 pés de altitude, o avião começa a alijar combustível, o que força minha saída rápida de sua traseira. Reporto a ocorrência ao THOR, que pede confirmação, já que é um procedimento proibido de ser executado sobre o continente. Quando estou a 3.000 pés, já no setor da Ilha de Paquetá, sou orientado a abandonar a missão e prosseguir para a Base Aérea de Santa Cruz com pouso na pista 04. Faço o debriefing e preencho tanto meu relatório quanto o Livro de Registros. O título no livro: "Interceptação do Concorde a FL350-300 e Mach 1.4".

Não sei se o piloto francês recebeu uma advertência ou qualquer outro tipo de reporte, mas certamente deve continuar se perguntando até hoje como as autoridades brasileiras descobriram que ele tinha alijado combustível no continente.

Aqui vale um esclarecimento: o Concorde, a exemplo de outras aeronaves de alta performance, transferia combustível das asas para um tanque na cauda conforme acelerava, com o objetivo de ajustar seu centro de gravidade para o voo de cruzeiro. Ao desacelerar, a manobra era inversa. Talvez, nesse caso, possa ter acontecido um problema nessa transferência e os pilotos optaram por alijar o combustível. Porém, preferiram não informar nada aos órgãos de controle de tráfego aéreo.

O supersônico francês operou regularmente no país entre 1976 e 1982, executando a rota entre Rio e Paris, com escala em Dacar em 6h30 –  um voo nesse trecho é cumprido normalmente em uma média de 10h30. O Concorde da Air France, porém, acabou retornando ao país em diversas outras ocasiões, executando missões presidenciais e fretamentos.

Acidente paralizou o Concorde por mais de um ano. Retorno foi abreviado pelo elevado custo do combustível.

Concorde cai na França

Em 25 de julho de 2000, o mundo foi surpreendido com a notícia de um grave acidente com o jato da Air France (F-BTSC) logo após a decolagem do aeroporto Charles de Gaulle, em Paris, que resultou na morte de 109 passageiros e quatro pessoas em terra. O estouro de um pneu do Concorde durante a corrida de decolagem, gerou estilhaços que romperam o tanque de combustível na asa, gerando fogo e a perda de controle da aeronave.

Os aviões da Air France e da British Airways foram proibidos de voar até que recebessem melhorias, garantindo, assim, melhor segurança operacional. O retorno ocorreu em 7 de novembro de 2001, mas o supersônico voaria somente por mais dois anos. Altos custos de manutenção e do combustível tornaram o Concorde inviável, forçando as duas únicas empresas aéreas no mundo que operavam o modelo a desativarem seus aviões. O último voo ocorreu em 26 de novembro de 2003, quando o jato da British Airways, matrícula G-BOAF, partiu de Londres - Heathrow, sob o comando de Les Brondie, para ser deixado em Filton - Bristol (Inglaterra), onde fora fabricado.

* A manobra foi um exercício da Força Aérea Brasileira aproveitando a rara oportunidade de realizar uma interceptação acima da velocidade do som. 

**O comandante Marco Rocha (Rocky) voa Boeing 777. Antes da aviação comercial, serviu à FAB, operando desde o DHC-5 Buffalo aos caças F-5E.


Notícias Concorde Boein 777 FAB força aérea F-5 Buffalo DHC-5


SUN 'N FUN

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 216,00R$ 432,00R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 72,00 6x R$ 72,00
Assinando agora você GANHA também 4 Pôsteres PORTA COPOS

Boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas