Trator de pouso

Militares já tentaram colocar trem de pouso com esteiras nos aviões

Na década de 1950 as poucas pistas existentes restringiam operação das aeronaves e solução sugerida foi pouco ortodoxa


EB-50B foi um dos aviões que recebeu um trem de pouso 'de esteiras' durante ensaios com sistema

Após o fim da Segunda Guerra, os militares dos Estados Unidos passaram a buscar uma solução para operarem aeronaves de grande peso em pistas não preparadas. Durante os anos do conflito, um dos entraves para operação dos bombardeiros B-17 e B-29 era a restrição no número de aeroportos com infraestrutura adequada. A solução mais óbvia era reduzir a pressão total da aeronave no terreno, o que gerou uma opção nada óbvia e muito menos convencional: o uso de lagartas.

LEIA TAMBÉM

 

[Colocar Alt]

O sistema de lagarta, popularmente conhecido como esteira, é amplamente empregado em veículos que necessitam transitar em terrenos difíceis e despreparados, como tratores e veículos de combate pesados. Desenvolvido no início do século 18, o sistema se tornou popular apenas no século 20 graças à Caterpillar Tractor Company.

Por possuir uma área de contato maior, a esteira permitiria reduzir consideravelmente o chamado “foot print”, ou seja, a área de contato com o solo. A própria Caterpillar foi contratada pelo Pentágono para desenvolver alguns protótipos de trem de pouso tipo lagarta. O objetivo era permitir que os aviões, independente do seu porte, operassem numa série de solos, incluindo areia, encharcados e grama.

O foco do programa estava no XB-36, que, devido a seu peso estava restrito a três bases aéreas americanas. O sistema era similar ao utilizado em tratores, porém, a largarta em si era produzida em borracha pela Goodyear, tradicional fabricante de pneus.

Sistema utilizava largartas de borracha, mas excesso de peso e complexidade comprovaram inviabilidade da ideia

Após uma série de ensaios os militares comprovaram que o sistema era extremamente pesado e complexo, sofrendo ainda com diversas limitações como baixa velocidade de táxi, problemas durante decolagem e pouso, exigência de manutenção constante, impossibilidade de ser retraído na maior parte dos aviões e por aí vai.

Ainda assim, entre as décadas de 1940 e 1950, diversos aviões receberam o estranho trem de pouso, como o Convair XB-36, Curtiss P-40, Douglas A-20 e Boeing EB-50B.

Da redação

Publicado em 23 de Fevereiro de 2020 às 15:00


Notícias notícia de aviação aeronave avião Boeing B-36 Convair XB-36 Curtiss P-40 Douglas A-20 EB-50B Caterpillar