Potencial de negócios

Empresa de voos sob demanda cresceu mais de 200% em meio a pandemia

Flapper mira expansão no mercado internacional por meio de crowdfunding


Aviação de negócios atende mais de 2.00 aeroportos no Brasil, versus uma média de 100 localidades da aviação comercial

A Flapper iniciou uma campanha de crowdfunding para arrecadação de  R$ 2,5 milhões de reais. A oferta representa a última cota de um investimento maior no nível de “Séries A”, que será anunciado ainda este ano.

A empresa é especializada em fretamento de voos executivos sob-demanda e pretende utilizar os recursos para acelerar a expansão do seu principal modelo de negócios e lançar sua operação no exterior. A SMU Crowdfunding foi a empresa escolhida como sócia da captação e também entrará no round junto com demais investidores.

A Flapper foi criada em São Paulo e atualmente com escritórios em Belo Horizonte e Rio de Janeiro. A intenção é iniciar operação no curto prazo em quatro novos mercados na América Latina e lançar rotas compartilhadas adicionais para aeroportos não-disponíveis na aviação comercial no Brasil.

“Queremos ser líderes regionais em voos fretados e compartilhados, com a oferta de serviços mais versátil do mercado. Nosso compromisso em longo prazo é democratizar o setor de aviação privada e expandir seu tamanho dos atuais 300.000 usuários para mais de 2,3 milhões de clientes potenciais, apenas no Brasil”, informa Paul Malicki, CEO da Flapper.

A opção do uso de crowdfunding como forma de investimento foi espontânea. De acordo com a empresa, a modalidade segue os mesmos moldes do serviço que a empresa oferece, assim como o perfil dos clientes, com usuários conectados com a tecnologia e novas formas de consumo.

“Fora do futebol, a aviação é provavelmente o único setor com tanta gente apaixonada pelo que faz. Se ainda considerarmos que muitos de nossos clientes têm alto poder aquisitivo, é fácil imaginar o fluxo de pedidos que recebemos para que a Flapper abrisse uma parte de nosso equity a terceiros”, pontua Malicki.

Empresas de tecnologia foram as que mais receberam investimentos apesar da crise. De acordo com um relatório da Inside Venture Capital, entre janeiro e setembro de 2020, houve uma injeção de R$ 12,3 bilhões de investimentos no setor.

De acordo com a SMU, a Flapper se tornou uma boa oportunidade de estar ao lado de grandes players do mercado de investidores. “Não é comum encontrar uma empresa que cresceu 200% em 2020 com esta situação de pandemia”, pontua Rodrigo Carneiro, CEO da SMU.

Um dos destaques é o potencial de crescimento do mercado brasileiro. Atualmente dos mais de 2.500 aeroportos do país, aproximadamente cem conta com voos regulares. A expansão da demanda para mais de 2.400 localidades se torna um atrativo bastante promissor.

A Flapper aumentou a sua receita de 2019 em 251% e pretende manter o crescimento de 3 dígitos ao longo de 2020, especialmente pelo potencial gerado pela pandemia. Com a redução na malha comercial e a necessidade de voos com maior privacidade e segurança sanitária para diversos executivos e geradores de negócios pelo país, a empresa obteve rápido crescimento de solicitações durante a pandemia. A Flapper foi considerada um dos destaques do Desafio Brasileiro de Inovação e Turismo organizado pelo Ministério de Turismo em setembro deste ano.

  • Se inscreva no canal da AERO Magazine no YouTube clicando aqui

Por Edmundo Ubiratan

Publicado em 4 de Novembro de 2020 às 14:45


Notícias notícias de aviação aeronave avião Flapper aviação de negócios pandemia aviação comercial aeroportos Brasil