Winglets

Dispositivos de ponta de asa “ativos”, aprovados pelas autoridades americanas

A inovação beneficia modelos da família Cessna CJ


O Grupo Tamarack Aeroespace anunciou ter recebido o Certificado Suplementar de Tipo (STC, na sua sigla em inglês) da Administração Federal de Aviação (FAA) para seu sistema de “Winglets Ativos” para os aviões de negócios Cessna CJ, CJ1, CJ1+ e M2) válida nos EUA e toda a Europa onde foi certificado pela EASA.

Nestas aeronaves, a inovação da Tamarack proporciona economia de combustível, maior alcance, altitudes iniciais maiores, subidas mais rápidas, aumento de quase 200 kg no peso zero combustível, gradientes de subida monomotor 12 a 15% maiores, melhor desempenho em pistas elevadas e quentes e aumento sensível na estabilidade de voo.  

O sistema patenteado e revolucionário da Tamarak é único porque compreende uma extensão na ponta das asas, winglets harmônicos e tecnologia de alívio de cargas. A combinação extensão-winglet aumenta o alongamento e a eficiência das asas, cerca de 3 a 4 vezes maior que aquela de um winglet passivo.

A tecnologia de alívio das cargas opera se opondo e aliviando às cargas impostas pelas rajadas de vento ou de manobras, prescindindo de reforços estruturais nas asas. Winglets tradicionais (passivos), são compromissos de equilíbrio entre a eficiência e o peso adicional exigido pelos reforços nas asas. Assim, a tempo de instalação de um winglet ativo é bastante reduzido.

Em 2013, a Tamarack estabeleceu um recorde mundial não oficial, voando 1.835 nm (3.400 km) com vento de cauda de 26 nós num Cessna CJ, e em 2016, um Cessna CJ3 voou 2.037 nm (3.770 km) com vento de cauda de 25 nós, em velocidade maxima, pousando com 1.130 lb. (515 kg) de combustível a bordo.  

 

Ernesto Klotzel

Publicado em 5 de Janeiro de 2017 às 14:23


Notícias Tamarack winglet Cessna CJ CJ1 CJ1+ M2