Um sistema de carregamento e descarregamento de bagagens para compartimentos de carga de aviões inspirado na superfície das mesas de hóquei de ar, aquele jogo em que dois adversários rebatem um disco com objetivo de encaçapá-lo na meta um do outro, bastante comum em bufês infantis. Com essa solução, pela primeira vez, uma equipe brasileira venceu a competição global Fly Your Ideas 2013, promovida pela Airbus em parceria com a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). O time do Brasil, composto por quatro estudantes de Design da Universidade de São Paulo (USP) e mais um aluno de intercâmbio da Loughborough University, no Reino Unido, criou o projeto "Levar", baseado em uma tecnologia de estofamentos de ar para acomodar malas no porão de aeronaves A320 com mais rapidez e facilidade, permitindo aos passageiros perder, segundo projeções dos próprios universitários, 30% menos tempo para retirar suas bagagens.

Neste ano, os participantes da competição da Airbus, que desafia universitários do mundo todo a desenvolver ideias ecoeficientes radicais para a aviação, tiveram de abordar um destes seis temas em seus projetos: energia, eficiência, crescimento sustentável, aumento de tráfego, experiência do passageiro e convívio em comunidade, considerados pelo fabricante europeu os grandes desafios do século 21 para um setor da aviação sustentável. Os brasileiros Marcos Philipson, Leonardo Akamatsu, Adriano Furtado, Caio Reis e Henrique Corazza levaram o prêmio máximo de 30.000 euros e conheceram a sede da Airbus em Toulouse, na França, na semana em que o A350 fez seu primeiro voo.

"Criamos um sistema feito com bolsões de ar que ficam por baixo de uma superfície por onde as malas vão deslizar dentro do porão da aeronave. Conforme os bolsões inflam, a plataforma se inclina e direciona as malas para o fundo ou para frente do porão de carga", explica Marcos Philipson, em entrevista a AERO. São cinco bolsões que criam três inclinações diferentes (uma para carga e duas para descarga) com um ângulo que não ultrapassa os 5 graus. O segredo do sistema, porém, esta no piso do compartilhamento de bagagem, que é feito de um material de baixo atrito e repleto de orifícios através dos quais sai ar comprimido, fazendo com que as malas fiquem suspensas - como o disco do hóquei de ar. Desse modo, o sistema praticamente elimina o atrito com o chão, facilitando a organização das bagagens, que são empilhadas e depois empurradas com uma pá especial, sem grandes esforços, já que o declive faz com que a carga deslize por inércia para o fundo.

Equipe Levar, composta por Caio Reis, Leonardo Akamatsu, Marcos Philipson, mentor da Airbus, Adriano Furtado e Henrique Corazza, da esquerda para a direita

Se esse sistema um dia for adotado, os aeroportuários desse setor não precisarão mais entrar agachados no porão do avião para acomodar as bagagens. Tudo será feito por meio de botões na porta do compartimento de carga. No descarregamento, as malas da frente serão retiradas e o operador acionará os bolsões aumentando o ângulo de inclinação quando precisar tirar as bagagens do fundo.

O projeto nasceu de um trabalho da faculdade, que tinha como proposta ajudar profissionais que atuam na aérea da aviação. "Para identificar os problemas do setor, conversamos com aeromoças, pilotos, passageiros e funcionários dos aeroportos", conta Marcos. "Percebemos que os trabalhadores responsáveis pela carga e descarga poderiam ter seu esforço diminuído com um dispositivo mais eficiente e os passageiros perderiam menos tempo esperando sua bagagem, o que reduziria até o número de incidentes de malas extraviadas".

Além do prêmio em dinheiro, os alunos participarão de workshops e receberão treinamento de especialistas da célula de inovação da Airbus, ainda este ano. A equipe Levar também participou da Le Bourget Paris Airshow.

COMO FUNCIONA

1. Bolsões de ar localizados sob o piso do compartimento de bagagem são inflados ou desinflados, forçando a parte dianteira ou traseira da plataforma de carga se inclinar para frente ou para trás como uma gangorra.
2. Para carregar o avião, o operador aciona os bolsões dianteiros, posiciona as bagagens na borda do compartimento de carga e as empurra com uma pá especial.
3. Ao mesmo tempo, o ar comprimido começa a sair pelos orifícios do piso fazendo com que as malas deslizem quase sem atrito até o fundo como se estivessem suspensas.
4. Para descarregar as bagagens, o operador retira primeiro as malas da frente e aciona os bolsões para aumentar o grau de inclinação e trazer as bagagens que estão no fundo do compartimento.

Reportagens brasileiros vence concurso Airbus

Artigo publicado nesta revista

NBAA 2016

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano



Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas

Mais lidas

1 Caem as entregas, mas há otimismo na Robinson Notícias
2 Diminui o interesse pelos Jumbo Notícias
3 King Air C90GTx começa a chegar ao Brasil Notícias
4 100 aeronaves que marcaram a virada do século 20 para o 21 Notícias
5 Jatos de negócios congestionam aeroportos na região de Davos Notícias
6 Monomotor ou bimotor? Reportagens
7 O jato particular de Trump é melhor do que o Air Force One? Notícias
8 Airlink, da África do Sul, torna-se a primeira cliente do país a adquirir aviões E-Jet da Embraer Notícias
9 Polônia poderá comprar 100 aviões de combate Notícias
10 Janela-bolha para o helicóptero Airbus H125 Esquilo Notícias