Aviação Comercial

Airbus e Rolls-Royce estudam A380neo

Empresas podem formalizar acordo ainda em 2015


A Airbus após receber diversos questionamentos sobre o futuro do A380, que não obteve nenhuma venda em 2014, está prestes a formalizar um acordo com a Rolls-Royce para o desenvolvimento de um novo motor para o modelo.

A Airbus estuda o lançamento do A380neo e do A380-900, esse último uma versão estendida com capacidade superior aos 700 passageiros.

O acordo com a Rolls-Royce, ainda que esteja em fase inicial, prevê o desenvolvimento de uma nova geração de motores para o A380. Entre os estudos estão uma versão derivada do Trent XWB, criado para o A350 XWB, ou novo membro da família Trent 7000, que será utilizado no A330neo.

O custo estimado apenas para o desenvolvimento do A380neo é na ordem de US$ 2,5 bilhões, o que é considerado, pelo mercado, extremamente alto para o potencial de vendas do modelo. No entanto, a Emirates Airline, a maior operadora do A380, afirmou recentemente que poderia colocar um pedido para aproximadamente 70 novos A380neo, além dos 50 A380-800 encomendados durante o Dubai Air Show 2013. O que viabilizaria o desenvolvimento de uma nova geração do A380 e garantiria a produção das duas versões por mais alguns anos.

Um dos desafios para a Airbus seria de ordem técnica, pois será necessário reprojetar a estrutura das asas do A380neo, já que os novos motores serão mais pesados e possivelmente com diâmetro ligeiramente maior que os atuais

A Engine Alliance, joint-venture entre a GE Aviation e a Pratt & Whitney, responsável pelo GP7000, atualmente o motor mais poular do A380, afirma que não possui nenhum plano para desenvolver uma nova geração de motores. Um dos motivos é o elevado custo para o desenvolvimento de uma nova geração de motores, capaz de atender a meta da Airbus de economia entre 10% e 12% no consumo de combustível. De acordo com A Engine Alliance, o desenvolvimento de um novo motor para um segmento restrito, como o A380, é financeiramente inviável.

Caso a Airbus desenvolva o A380neo, é provável que apenas um fabricante de motores seja escolhido, pois além de reduzir os riscos, permite uma maior segurança financeira para todos os envolvidos no projeto.

Da redação

Publicado em 16 de Dezembro de 2014 às 16:00


Notícias