O Tigre Asiático de movimenta

China deverá ter mais de 400 aeroportos de grande porte até 2035

Mercado de transporte aéreo chinês deverá ser o maior do mundo na próxima década superando os Estados Unidos


O exponencial crescimento chinês se reflete no desenvolvimento da infraestrutura do país, em especial aeroportuária. A China almeja operar um total de 450 aeroportos até 2035, quase o dobro das instalações atuais. O projeto é parte do ambicioso programa do país que deseja se tornar uma potência global e utiliza a aviação comercial como seu maior tentáculo.

A Administração da Aviação Civil da China (CAAC, na sigla em inglês), mostrou o projeto para praticamente dobrar o número de aeródromos de grande e médio porte do país, que hoje totaliza 234 aeroportos civis. A expectativa de analistas de todo o mundo, em especial dos fabricantes aeronáuticos, é que a China supere os Estados Unidos com o maior mercado aeronáutico do mundo já próxima década. Um dos motores do desenvolvimento do transporte aéreo chinês é classe média em franca expansão, apresentando constante crescimento inclusive em viagens internacionais de longo curso. Além disso, as companhias aéreas locais e os emergentes fabricantes de aeronaves chineses têm obtido importante apoio governamental, incluindo nos setores do combustível, construção de aeroportos e geração energia renovável.

O conselho estatal afirmou que a China pretende acelerar os investimentos em infraestrutura como ferrovias, rodovias e aeroportos, para incentivar particularmente a demanda doméstica. A CAAC espera que o tráfego aéreo de passageiros doméstico represente, até 2035, um terço da movimentação de pessoas no país.

O Brasil, que mantém o status de um dos maiores mercados globais de aviação comercial registrou melhora nos indicadores do transporte aéreo regular, ao retomar o patamar de 100 milhões de passageiros transportados em meados de 2018. Ainda assim, os pouco mais de 20 grandes aeroportos ainda estão se adequando a demanda, grande parte dos investimentos ocorrendo após o processo de privatização iniciado em 2012.

Por Ernesto Klotzel

Publicado em 12 de Dezembro de 2018 às 18:00


Notícias China CAAC