A novela PW4000 continua

Boeing pressiona por aprovação de mudanças em motores do 777

Aeronaves com motores PW4000 estão proibidas de voar desde uma falha em fevereiro desde ano


Falha não contida em Boeing 777 da United Airlines

Imbróglio começou com incidente em um voo da United Airlines, em fevereiro | Foto: Hayden Smith

A Boeing está pressionando os reguladores da aviação civil nos Estados Unidos para a aprovação de melhorias nos motores PW4000, da Pratt & Whitney, após uma falha catastrófica em um voo em fevereiro deste ano.

O fabricante pretende acelerar a retomada das operações de parte da frota de 777-200, que está impedida de voar há oito meses. A Boeing está fazendo alterações no projeto, como nas entradas de ar e nas carenagens do motor, visando garantir a segurança de voo mesmo com uma explosão catastrófica do motor. 

Os trabalhos aconteceram após um 777-200, registro N772UA, da United Airlines apresentar uma falha não contida logo após decolar de Denver (DEN) para Honolulu (HNL), nos Estados Unidos. Ainda que existam poucos 777-200 em serviço, a maioria em empresas norte-americanas, voando basicamente rotas domésticas, a paralisação compromete a retomada do mercado, assim como coloca uma nova pressão sobre a Boeing.

Na última semana, a agência de aviacão civil dos Estados Unidos, a FAA, disse que a Boeing solicitou isenções para permitir que os 777 com o PW4000 possam voltar a operar comercialmente o mais rápido possível. “Essa isenção é necessária para permitir a certificação e incorporação das mudanças incrementais à medida que elas se tornam disponíveis para aumentar a segurança e para cumprir o período de conformidade exigido antecipado das diretrizes de aeronavegabilidade planejadas”, disse o fabricante em ofício ao órgão regulador.

Tal solicitação teria sido feita também para alguns 737 NG com motores CFM56, após duas ocorrências relacionadas a falhas nas blades de aviões da Southwest Airlines, em 2018. Neste caso a Boeing solicitou que a FAA “permita a incorporação de uma série de mudanças de design na entrada de ar, na proteção do motor e no bocal de escape primário do 737, à medida que eles se tornam disponíveis, a fim de aumentar ainda mais a segurança”.

Ainda que os problemas não sejam considerados graves, do ponto de vista da segurança da frota mundial, a Boeing tem visto um acumulo de problemas em sua divisão comercial há quase uma década.

  • Receba as notícias de AERO diretamente das nossas redes sociais clicando aqui

 

 

Marcel Cardoso

Publicado em 20 de Outubro de 2021 às 09:25


Notícias noticias noticias de aviação United PW4000 Motor FAA Estados Unidos