Indústria

Univap e ITA criam equipamento para produzir material resistente ao desgaste e atrito

Material poderá ser empregado em peças aeronáuticas, automotivas e hospitalares

Da redação em 4 de Maio de 2015 às 16:00

Pesquisadores da Universidade do Vale do Paraíba (Univap) e do Instituto de Tecnologia Aeronáutica (ITA) desenvolveram um equipamento capaz de produzir filmes à base de carbono altamente resistentes ao desgaste.

Foram investidos mais de US$ 500 mil, por instituições de apoio à pesquisa nos grupos que estudam o Diamond-like Carbon (DLC), como é chamado o material, que já foi testado em peças de aço, polietileno e parafusos. A película poderá ser utilizada para o revestimento de peças hospitalares, automotivas e aeronáuticas. Durante os testes, o filme também apresentou eficácia ao inibir a proliferação de organismo, quando exposto a agentes fúngicos.

O projeto surgiu da necessidade de alterar o revestimento de juntas que movem placas de painéis solares responsáveis por produzir energia na estrutura de satélites. O sistema realiza movimentos no vácuo e tendem a emperrar ao longo do tempo devido contato metal-metal. A aplicação do DLC inibe tal problema.

A produção do DLC envolve um completo processo realizado num reator e controlado por computador. “O reator, que hoje está instalado nos laboratórios do IP&D da Univap, é ligado a tubos e válvulas que levam os gases precursores de carbono para dentro dele e, através de uma descarga elétrica, estes gases são ionizados dando ao chamado estado de plasma”, explica o pós doutorando em Física de Plasma Dr. Fabiano Pinto Pereira. Por meio desta tecnologia é possível revestir peças do trem de pouso de uma aeronave, como rolamentos. Para isso eles são expostos a um determinado tempo pelo plasma. Isso acontece em intervalos de segundos a até horas, dependendo da espessura do revestimento.

Quando o metal, por exemplo, é colocado no reator para ser revestido, o tempo de exposição do gás ao plasma é o que determina a espessura e eficácia do recobrimento sendo construído. “No momento em que o plasma fragmenta o gás gerando radicais de carbono, por exemplo, estes, por difusão, colidem com a superfície do material a ser tratado iniciando a formação do recobrimento caracterizado DLC, permitindo assim modificar as propriedades superficiais deste material”, conta Fabiano.

Foto: Rübig Österreich


Notícias ITA


Airbus, Nova Rival da Embraer

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 172,80R$ 302,40R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 43,20R$ 129,60R$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 57,60 6x R$ 50,40
Assinando agora você GANHA também CHAVEIRO PORTA COPOS
Airbus, Nova Rival da Embraer

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar

Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas