Aeroportos na mira de Trump

Trump critica a aviação civil dos Estados Unidos

Novo presidente americano chamou alguns aeroportos de “terceiro mundo”

Ernesto Klotzel em 23 de Janeiro de 2017 às 21:37

Durante sua campanha presidencial Donald Trump não perdeu a oportunidade de criticar mais um setor das atividades econômicas dos Estados Unidos: a indústria da aviação civil. Suas críticas visaram, especificamente, vários aeroportos, chamando-os de ‘terceiro mundo’. Ele não está sozinho: o ex-vice-presidente dos EUA, Joe Biden é da mesma opinião, tendo como alvo principal o Aeroporto de La Guardia (foto), atacado em 2014.

 A verdade é que o setor da aviação civil norte-americana necessita, urgentemente, de uma revisão, pois se trata de um setor crítico para a economia do país: transporta 900 milhões de passageiros por ano, e é responsável por US$ 1,5 trilhão da atividade econômica, perto de 12 milhões de empregos e, em 2012, representou 5,4% do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA. Seu superávit comercial de US$ 83 bilhões em 2015 foi o maior entre todas as atividades industriais no país.  

Enquanto os EUA são, há muito, reconhecidos como sendo o padrão de excelência em tecnologia e segurança de voo, eles estão ficando para trás em termos de inovação: para começar, o futuro crescimento dos aeroportos para fazer frente ao aumento do tráfego de passageiros exige uma intervenção criativa pois, mesmo nos dias atuais, os custos econômicos dos atrasos e congestionamentos se acham na casa dos bilhões de dólares.

 Cerca de 30 dos principais aeroportos são responsáveis por 72% dos passageiros. O controle do tráfego aéreo, por outro lado, é uma relíquia da Segunda Guerra Mundial e mesmo as tentativas de modernizá-lo a partir dos anos 1980, têm sido lentas.

Atrair sangue novo para a indústria da aviação, para compensar – no ar ou em terra –, o número de aposentados ou mesmo o crescimento na aviação civil, não tem sido tarefa fácil: remuneração baixa durante anos para pilotos, carência em programas de treinamento e qualificação para especialistas em manutenção e a pura falta de motivação para ingressar na profissão estão entre os principais problemas.

Com a crescente conectividade dos sistemas da aviação, a segurança cibernética tornou-se um risco iminente, com uma preocupação cada vez maior com os potenciais pontos de acesso – dos equipamentos de controle do tráfego aéreo até as próprias aeronaves para as incursões de hackers e terroristas. O próprio advento dos drones criou seu elenco de problemas como colisões aéreas, segurança contra atividades ilegais e invasões de privacidade. 

Os problemas enfrentados pela aviação são complexos e abrangentes e muitos vão exigir tempo e paciência para sua solução. Por outro lado, a reputação dos EUA com relação à segurança de voo e inovação, devem ser motivação suficiente para que Washington arregace as mangas para enfrentá-los.


Notícias PIB dos EUA Aviação Civil nos EUA


Airbus, Nova Rival da Embraer

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 172,80R$ 302,40R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 43,20R$ 129,60R$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 57,60 6x R$ 50,40
Assinando agora você GANHA também CHAVEIRO PORTA COPOS
Airbus, Nova Rival da Embraer

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar

Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas