Solução insólita

Os aviões que usavam trens de pouso com esteiras de tanques de guerra

Após a Segunda Guerra, fabricantes cogitaram usar as chamadas lagartas no lugar dos pneus

em 19 de Abril de 2016 às 11:30

Após o fim da Segunda Guerra, os militares dos Estados Unidos passaram a buscar uma solução para operarem aeronaves de grande peso em pistas não preparadas. Durante os anos do conflito, um dos entraves para operação dos bombardeiros B-17 Flying Fortress e B-29 Superfortress era a restrição no número de aeroportos com infraestrutura adequada.


B-29 e B-36 lado a lado mostra a enorme diferença entre ambos.

Os B-17 foram a principal força de ataque dos Estados Unidos no teatro da Europa

A-26 Invader também recebeu o exótico trem de pouso. Que logo se mostrou completamente inviável

A chegada de enormes bombardeiros nos meses subsequentes ao final da Guerra aumentou a pressão por uma solução para o problema. Aeronaves como o Convair B-36 Peacemaker com mais de 186.000 kg de peso máximo de decolagem e uma área alar total de 443.5 m² davam uma enorme dimensão ao problema. Comparativamente o B-29, que foi o maior bombardeiro norte-americano na Segunda Guerra, tinha um peso máximo de decolagem de 60.500 kg e área alar de 161,2 m³.

Imediatamente, a solução mais óbvia era reduzir a pressão total da aeronave no terreno, o que gerou uma opção nada óbvia e muito menos convencional: o uso de lagartas. O sistema de lagarta, popularmente conhecido como esteira, é amplamente empregado em veículos que necessitam transitar em terrenos difíceis e despreparados, como tratores e veículos de combate pesados.

A solução foi desenvolvida no início do século 18, e se tornou popular apenas no século 20 graças à Caterpillar Tractor Company. Por possuir uma área de contato maior, a esteira permitiria reduzir consideravelmente o chamado “foot print”, ou seja, a área de contato com o solo.

A Caterpillar que já era referência global em tratores pesados foi contratada pelo Pentágono para desenvolver alguns protótipos de trem de pouso tipo lagarta. O objetivo era permitir que os aviões, independente do seu porte, operassem numa série de solos, incluindo areia, encharcados e grama.

O foco do programa estava no B-36, que, devido a seu peso estava restrito a três bases aéreas americanas. Porém, o sistema era extremamente pesado e complexo, sofrendo ainda com diversas limitações como baixa velocidade de táxi, problemas durante decolagem e pouso, exigência de manutenção constante, impossibilidade de ser retraído na maior parte dos aviões e por aí vai.

Ainda assim, entre as décadas de 1940 e 1950, diversos aviões receberam o estranho trem de pouso, como o Convair XB-36, Curtiss P-40, Douglas A-20 e Boeing EB-50B.

Foi uma solução engenhosa, mas que mostrou trazer mais complicações e restrições aos aviões. Anos mais tarde, as bases aéreas nos Estados Unidos estavam aptas a receber e operar todo o efetivo existente e futuro. Hoje qualquer base aérea no país pode receber todo o arsenal da força aérea.


Notícias B-36 B-17 B-29


Airbus, Nova Rival da Embraer

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 172,80R$ 302,40R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 43,20R$ 129,60R$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 57,60 6x R$ 50,40
Assinando agora você GANHA também CHAVEIRO PORTA COPOS
Airbus, Nova Rival da Embraer

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar

Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas