Hipóxia

Pilotos militares sofrem com hipóxia, uma longa história

O problema começou em 2008 com o F-22 Raptor

Por Ernesto Klotzel em 12 de Abril de 2017 às 12:08

Entre 2008 e 2010, os pilotos do jato Lockheed Martin F-22 Raptor da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) da Base Aérea Langley, registraram 14 “eventos fisiológicos” relativos à hipóxia, originários de problemas advindos do sistema embarcado de geração de oxigênio.

Em decorrência, o caça deixou de voar em 2011 durante 142 dias. Em 2012, o professor Ken Kambis do College of William and Mary Kinesiology and Health Problems se empenhou em estudar o problema em conjunto com o Instituto de Pesquisas em Medicina Ambiental do Exército dos USA.

“Uma subida rápida a grandes altitudes pode provocar sintomas debilitantes como fortes dores de cabeça, náusea, distúrbios de visão, e inabilidade de executar tarefas simples” explicou Kambis. Agora, a Marinha está tendo experiências semelhantes com seus treinadores a jato  T-45-C “Goshawk”.

Todos os 197 aviões, operados nas bases de treinamento da US Navy no Texas, Florida e Mississipi foram ordenados a respeitar uma “pausa operacional” de dois dias. A Marinha dos Estados Unidos está levando muito a sério nos T-45 e também nos F-18 Hornet.


Notícias McDonnell Douglas T45 Goshawk US Navy Lockheed Martin F-22 Raptor USAF


Airbus, Nova Rival da Embraer

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 172,80R$ 302,40R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 43,20R$ 129,60R$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 57,60 6x R$ 50,40
Assinando agora você GANHA também CHAVEIRO PORTA COPOS
Airbus, Nova Rival da Embraer

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar

Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas