Ricardo Beccari

Divulgação
DVD: Asas e Coração – Revelando a Esquadrilha da Fumaça Tipo: documentário Tempo: cerca de 70 minutos
Preço: R$ 20
www.esquadrilhadafumaca.com.br

O Esquadrão de Demonstração Aérea da Força Aérea Brasileira, mais conhecido como Esquadrilha da Fumaça, acaba de lançar seu documentário Asas e Coração em DVD. Em breve, o trabalho sairá também em Bluray. O filme mostra histórias e cenas impressionantes gravadas de dentro do cockpit. A reportagem de AERO conversou com o piloto Líbero Onada Luiz Caldas, o major Caldas, da Esquadrilha, número 7, e reproduz trechos desta entrevista. O aviador deixará a Fumaça em dezembro, às vésperas de o Esquadrão completar 60 anos de existência, e conta como é a vida de um piloto acrobático militar.

AERO - Ser piloto da fumaça é um sonho?

MAJOR CALDAS – Sempre gostei de avião, mas nunca me imaginei na Esquadrilha. Mesmo depois de entrar na FAB, parece algo inatingível. Somente quando me tornei instrutor da Academia (da FAB) é que comecei a pensar mais seriamente em entrar para a Fumaça.

• Por quê?

• Porque um dos requisitos para ser piloto da Fumaça é ter 1.500 horas de voo, das quais 800 tem de ser na Academia.

• Quais os critérios de escolha?

• São os próprios pilotos que decidem quem entra na Fumaça. O que se valoriza é a capacidade de trabalho em grupo e também de ouvir os outros, mais do que o talento acrobático.

• É puxado o ritmo de piloto da Fumaça?

• Sim. Além de voar, temos de dar e receber instruções. Ou seja, fazemos shows no fim de semana e trabalhamos duro durante a semana. Nossa escala é de um fim de semana sim e outro não. Passamos, em média, 15, 20, 30 dias longe de casa.

• Você é o número 7. Qual é seu papel no show?

• O número 7 leva o avião mais próximo do seu limite. E o público gosta do avião isolado. Tenho de demonstrar nossa capacidade de manobra. Já o esquadrão realiza manobras como espelho, alas invertidos e voo de dorso. Mas nosso objeto não é vender apenas arrojo, vendemos também segurança.

• Qual foi a repercussão do acidente aéreo que matou espectadores na corrida do Reno?

• Show aéreo e corrida aeronáutica são coisas diferentes. O show é muito menos arriscado. Um levantamento feito nos Estados Unidos pelo IAC (International Aerobatic Club) mostrou que em 60 anos a entidade nunca registrou acidentes com mortes na plateia. Quanto a idade do piloto, não creio que seja um problema. Para fazer isso o piloto precisa mais de conhecimento e doutrina do que de reflexo e aptidão física.


Radar Cultural

Artigo publicado nesta revista

Últimas Radar Cultural

25-06-2014
00:00 A arte imita a vida
18-05-2014
00:00 Imagens Aéreas
16-12-2013
00:00 Livros
09-08-2013
00:00 Livro
07-06-2013
13:12 Radar Cultural
13-05-2013
13:45 Radar cultural
02-10-2012
08:02 Radar Cultural
03-08-2012
07:41 Radar Cultural
11-07-2012
09:21 Livros
12-06-2012
15:31 Livros
Mais Radar Cultural »
NBAA 2016

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano



Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas

Mais lidas

1 Caem as entregas, mas há otimismo na Robinson Notícias
2 Diminui o interesse pelos Jumbo Notícias
3 King Air C90GTx começa a chegar ao Brasil Notícias
4 100 aeronaves que marcaram a virada do século 20 para o 21 Notícias
5 Jatos de negócios congestionam aeroportos na região de Davos Notícias
6 Monomotor ou bimotor? Reportagens
7 O jato particular de Trump é melhor do que o Air Force One? Notícias
8 Airlink, da África do Sul, torna-se a primeira cliente do país a adquirir aviões E-Jet da Embraer Notícias
9 Polônia poderá comprar 100 aviões de combate Notícias
10 Janela-bolha para o helicóptero Airbus H125 Esquilo Notícias