Drones

Estado Islâmico escolhe nova arma: drones que podem comprar em lojas

Não é a primeira utilização de drones por grupos não oficiais

Santiago Oliver em 10 de Março de 2017 às 15:13

Os conflitos no Iraque e na Síria viram a ascensão de uma nova forma de guerra não tripulada, o uso em larga escala de drones armados de fácil aquisição. Os militantes do grupo Estado Islâmico já têm uma significativa frota de micro UAV, que continua a crescer graças à tecnologia cada vez mais ao alcance de todos.

Esta não é a primeira utilização de drones por grupos não oficiais. O Hezbollah tem usado drones desde 2004, alguns transportando explosivos. No entanto, enquanto o Hezbollah afirma que seus drones Mirsad são construídos localmente, eles parecem ser versões modificados ou exportadas do drone iraniano de vigilância Mohajer. O Mirsad tem um motor a pistão, envergadura de 3m e tem sido um alvo fácil para os sistemas de defesa aérea. 

Em contraste, o esforço do Estado Islâmico por drones foi alimentado por equipamentos baratos, ao alcance dos consumidores, disponíveis desde o lançamento do DJI Phantom em 2013. Este quadricóptero voa a pouco mais de 30 km/h com autonomia de 20 minutos, enviando de volta vídeos em alta resolução a uma distância de 1,6 km, e por menos de US$ 2.000. 

O Phantom foi um avanço comercial, e gerações cada vez mais capazes surgiram a seguir, bem como muitos imitadores. O Estado Islâmico começou a usar drones para filmar ataques suicidas para vídeos de recrutamento em 2014 e logo mudaram para o campo de batalha. O vídeo feito por um drone de uma base militar síria foi seguido por atentados suicidas nos pontos fracos da base. Os drones do Estado Islâmico guiam caminhões-bomba para seus alvos; Em Mosul eles localizam alvos e ajudam a ajustar a pontaria dos morteiros.

No início de 2016, drones de asa fixa do Estado Islâmico realizaram ataques no estilo kamikaze no Iraque e na Síria. Estes foram substituídos por quadricópteros lançando granadas, que se tornaram cada vez mais comuns. Os quadricópteros são difíceis de derrubar com armas pequenas. 

O jornalista iraquiano Nabard Hussein relatou 10 desses ataques em uma hora, em Mosul. No início de fevereiro, o exército iraquiano disse à Associated Press que eles haviam sofrido três mortos e dezenas feridos por ataques com drones. O número de mortos aumentou nas semanas seguintes. Os combatentes curdos também foram alvo, assim como civis, com nove mortos em um incidente em Bagdá. O ritmo aumentou; O grupo Estado Islâmico (ISIS) se vangloriou dos ataques com drones em oito locais num mesmo dia em fevereiro.

Documentos ISIS revelam um esforço coordenado de drones, em vez de iniciativas locais. A munição mais comum é uma ogiva de granadas de 40 mm em uma fuselagem aerodinâmica, produzida em grande número. O mecanismo de armar habitual das granadas foi substituído por um anel que é automaticamente retirado quando a munição é libertada. A ogiva tem um raio letal de 5 m e pode penetrar chapas de aço de 50 mm.

Os vídeos ISIS mostram que os projéteis atingem seus alvos com grande precisão, com impactos diretos em veículos ou aterrissando no meio de grupos de pessoas. Enquanto esses alvos são bem escolhidos, falhas não são mostradas, e dão uma ideia da precisão que pode ser alcançada por uma plataforma pairando em baixa altitude. A adição de software de localização de alvos, pode aumentar essa precisão no futuro. 

O ISIS também desenvolveu drones de asa fixa com maior autonomia e maior carga útil do que os quadricópteros. As oficinas capturadas incluíram os drones Skywalker X-8 de fácil aquisição, bem como células construídas a partir do zero com motores comerciais de drone e pilotos automáticos, componentes que podem ser adquiridos facilmente online. O ISIS manifestou interesse em drones de asa fixa que disparam foguetes guiados e, em 21 de fevereiro, o jornal turco Daily Sabah citou fontes militares dizendo que um míssil de um drone ISIS matou dois estudantes.

O ISIS também está procurando quadricópteros maiores e mais capazes. Os drones capturados incluíram um quadricóptero comercial grande que transportava uma ogiva RPG-7. Em teoria, isso poderia penetrar a fina blindagem superior dos tanques mais pesados.

Novos desenvolvimentos em drones de consumo popular devem ser adaptados pelos insurgentes. As forças norte-americanas no Iraque pediram urgentemente interferências de drone. No entanto, os drones de consumo já são capazes de voos completos sem supervisão humana. Os recentes modelos da DJI possuem características que lhes permitem evitar obstáculos, têm navegação óptica e detecção humana.

Essa tecnologia poderia permitir aos insurgentes planejar ataques autônomos, com drones capazes de voar para uma área determinada, localizar alvos, como pessoas ou veículos, e atacá-los por conta própria. Seria terrível e indiscriminado, mas seria impossível de interceptar. Sem a necessidade de operadores, os drones autônomos poderiam ser utilizados em grande número em ataques de saturação. Isso poderia ser devastador contra uma força que tinha chegado confiando em oferecer proteção. 

Pequenos e baratos drones armados estão começando a causar um forte impacto no campo de batalha no Iraque e na Síria, e isso provavelmente aumentará – assim como a perspectiva de que esses drones sejam usados ​​por grupos terroristas cada mais perto de nós.


Notícias ISIS DJI Phantom Misrad Mohajer

23 anos - Ensaios em voo

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 202,80R$ 405,60R$ 202,80R$ 202,80
Assine Agora porR$ 172,80R$ 302,40R$ 119,96R$ 119,96
Desconto
EconomizaR$ 30,00R$ 103,20R$ 82,84R$ 82,84
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 54,08 6x R$ 47,68
Assinando agora você GANHA também CHAVEIRO PORTA COPOS
23 anos - Ensaios em voo

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas