Especial Formação

Ensino, um negócio promissor

Escolas privadas e universidades ganham mercado com a busca de excelência e novos padrões de instrução

Por Vinícius Casagrande em 7 de Outubro de 2013 às 00:00

A alta procura por cursos de piloto fez aumentar no Brasil o número de escolas de aviação. Com uma estrutura mais profissional do que a maioria dos aeroclubes, as entidades privadas viram a quantidade de alunos subir de forma exponencial nos últimos anos. Atualmente, entre 178 instituições que oferecem cursos práticos de piloto, 64 estão inseridas na categoria escolas de aviação. O crescimento desse setor nos últimos anos foi tão grande que já existem escolas investindo no segmento de franquias, como é o caso da Sky Prime.

Muitas escolas surgiram com o aumento da procura de alunos pelos cursos. Boa parte desses futuros pilotos buscou uma formação aeronáutica no auge da expectativa do crescimento da aviação brasileira e de uma fase duradoura de contratação por parte das companhias. No entanto, a partir do final de 2012, com as demissões promovidas pela Gol/Webjet e o recente anúncio de corte de mais de 800 tripulantes na TAM, algumas escolas já começam a sentir essa euforia diminuir. Mas mesmo essa crise não deve afetar, pelo menos no curto prazo, o bom desempenho das escolas.

Em algumas instituições de ensino de maior porte ainda é difícil encontrar um horário disponível na escala de voo com uma antecedência mínima de 60 dias, o que prova que a forte procura dos alunos continua em alta. Mas muitos alunos preferem essa opção, como é o caso do piloto privado de avião Luiz Pulino Jr., que agora pretende continuar com a formação de piloto comercial. “Para mim, seria mais prático fazer todas as horas de voo no aeroclube perto de casa, mas optei pela escola por conta da estrutura que oferece. Como é uma entidade privada, que visa o lucro, há uma preocupação em atender bem o cliente. Muitos dos aeroclubes que visitei pareciam achar que estariam fazendo um favor em me deixar voar lá”.

As escolas de aviação adotam a filosofia de preparar o futuro piloto com foco no mercado de trabalho, especialmente para as companhias aéreas. O instrutor faz junto com o aluno uma sequência de análise e planejamento do voo de instrução similar ao que ele encontrará em uma empresa aérea. Nos voos são cumpridos os procedimentos de planejamento e análise do voo. “Parece um pouco de exagero, mas essa metodologia cria a rotina que o piloto vai levar para o resto da vida”, afirma Daniel Torelli, da Harpia, escola com base no aeródromo de Botucatu, no interior de São Paulo.

O foco de boa parte das escolas emergentes, além da formação para o mercado de trabalho, é cada vez mais a segurança de voo. A missão tem de ser formar bons profissionais, que voem de forma segura e responsável. “As escolas precisam entregar bons pilotos que consigam planejar e executar seus voos com segurança e qualidade, realmente preparados para a realidade. Isso parece óbvio, mas temos encontrado pilotos formados que conhecem apenas a realidade da escola em que fizeram o seu treinamento e que depois de obterem suas licenças não estão 100% preparados para encarar os desafios do dia a dia como piloto”, alerta Torelli.

O foco das escolas de aviação é cada vez mais a segurança de voo. A missão tem de ser formar bons profissionais, que voem de modo responsável

Curso superior

Para ter uma formação mais completa e se diferenciar no mercado de trabalho, um opção são os cursos superiores de Ciências Aeronáuticas. Com duração média de três anos, as 25 universidades que oferecem a graduação têm um currículo mais abrangente do que simplesmente a prática da pilotagem. “Nosso curso foi criado após uma solicitação da Varig, que identificou na época uma mudança no perfil que ela gostaria. Era necessário que o piloto fosse mais proativo com o negócio como um todo”, afirma Hildebrando Hoffmann, coordenador do curso de Ciências Aeronáuticas da PUC-RS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul).

Além do conteúdo exigido para que o aluno seja aprovado nas provas teóricas da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), o curso de Ciências Aeronáuticas inclui ainda matérias sobre a administração de empresas aéreas, CRM e Jet Training. “Quando formado, o aluno realmente terá capacidade para ser copiloto de qualquer companhia aérea”, diz Hoffmann. “Preparamos o aluno não somente para tirar a carteira, mas para ter uma carreira profissional sólida”, complementa Edson Mitsuya, coordenador do curso da ITE (Instituição Toledo de Ensino).

Para receber o diploma de formado, no entanto, o aluno precisa realizar as horas de voo em um aeroclube ou escola de aviação independente. As universidades normalmente têm parceiras com algumas instituições para a parte prática, mas a escolha final fica a critério dos alunos. “Temos quatro escolas e aeroclubes credenciados que se submeteram às condições que exigimos. Caso o aluno opte por uma dessas quatro instituições, fazemos um registro no diploma para atestar que toda a parte prática foi realizada de acordo com o nosso programa de treinamento”, diz Hoffmann, da PUC-RS.

A parte prática é, normalmente, o maior entrave para quem pretende seguir a carreira de piloto. Por isso a ITE, de Bauru, inclui o valor das horas de voo no financiamento do FIES (Fundo de Financiamento Estudantil), que tem juros de 3,4% ao ano. Com o programa, os alunos estudam a parte teórica durante os meses letivos e, nas férias escolares, realizam o treinamento prático.

Apesar de não ser um requisito obrigatório, muitas companhias aéreas já classificam a formação em nível superior com curso de Ciências Aeronáuticas um diferencial importante no momento da contratação. “A qualidade da formação ainda precisa melhorar bastante no Brasil. Afinal, quanto mais o aluno estuda, melhor preparado ele estará. É por isso que surgiram os cursos superiores”, acrescenta Mitsuya.

Escolas, aeroclubes e universidades parceiros de AERO MAGAZINE

Aeroclube de Carazinho – www.aerocarazinho.com.br
Aeroclube de Londrina – www.aeroclubedelondrina.com.br
Aeroclube de Para de Minas – www.aeroclubeparademinas.com.br
Aeroclube de Rio Claro – www.aeroclubederioclaro.com.br
Aeroclube de Sorocaba – www.aerosorocaba.com.br
Aeronautas Escola de Aviação Civil – www.aeronautas.net
Brasflight Escola – www.brasflight.com.br
Edapa Escola – www.edapa.com.br
Edra Aeronáutica – www.edraaeronautica.com.br
Eta Escola de Aviação – www.etaescoladeaviacao.com
Epic Flight Academy – www.epicflightacademy.com
Floripa Flight Escola de Aviação – www.voefloripa.com.br
Fly Center Escola de Aviação – www.flycenterweb.com.br
Frison Fly – www.frisonfly.com.br
GAA Global Aviation Academy – www.globalaviationacademy.com.br
Go AIR – www.goair.com.br
Grupo Positivo –  www.up.com.br
Harpia Flight Academy – www.harpiafa.com.br
QNE – Escola de Aviação – www.qne.com.br
Realizar Escola de Aviação – www.voerealizar.com.br
UNICESUMAR – www.cesumar.br
Universidade Tuiuti do Parana – www.utp.br

Especial aeroclubes instituições cursos práticos de piloto Sky Prime Luiz Pulino Jr Ciências Aeronáuticas escolas

Artigo publicado nesta revista

AERO Magazine 233 · Outubro/2013 · O boom dos aeroportos executivos

Grandes empreendimentos e privatizações prometem revolucionar infraestrutura para aviões e helicópteros corporativos


Airbus, Nova Rival da Embraer

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 172,80R$ 302,40R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 43,20R$ 129,60R$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 57,60 6x R$ 50,40
Assinando agora você GANHA também CHAVEIRO PORTA COPOS
Airbus, Nova Rival da Embraer

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar

Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas