Designação correta

Editorial - Edição 251

Da redação em 24 de Abril de 2015 às 00:00

O termo negócio, de origem latina, seria uma derivação da expressão “negar o ócio”, ostentando em sua raiz um conceito indispensável às pessoas bem-sucedidas, a produtividade. Atualmente jatos, turbo-hélices, aviões a pistão e helicópteros se tornaram aliados fundamentais de “homens (e mulheres) de negócio” na missão de lutar contra as duas forças mais inclementes no mundo moderno: a falta de tempo e a virtualidade. As aeronaves têm sido utilizadas por empresários, fazendeiros, executivos, governantes, vendedores, engenheiros, médicos e tantos outros profissionais altamente qualificados no intuito de ir pessoalmente, e em menos tempo, aonde são demandados.

Sempre pensamos que as expressões avião executivo e jatinho carregam preconceitos e reforçam o estereótipo de artigo de luxo de privilegiados, quando, na verdade, são instrumentos liberadores de uma produtividade e de um impulso mais necessário do que nunca ao país, e que de outra forma ficaria represado.

Todo esse preâmbulo para justificar uma decisão editorial que corrige essa distorção: deixaremos de usar o adjetivo “executivo” para qualificar aviões empregados em missões de negócios. Na prática, adotaremos a designação mais ampla já utilizada por ingleses, franceses, espanhóis e alemães, ou seja, aviação de negócios.

A matéria que marca esse ponto de inflexão traça um panorama histórico do setor com uma lista dos principais modelos usados desde o fim da Segunda Guerra, um artigo saboroso para quem conhece e vive essa realidade. Ainda no mercado de aviação de negócios, investigamos qual será o primeiro aeroporto brasileiro voltado a operações não regulares a ser internacionalizado. Depois do alvoroço em torno dos anúncios de aeroportos privados em São Paulo, o aeródromo de Sorocaba manteve a proa e desponta como forte candidato. Visitamos o Bertram Luiz Leupolz para ver de perto sua expansão depois da chegada de operadores de peso como Gulfstream, Dassault e Embraer.

Ainda nesta edição, inauguramos uma nova seção, a “Aeroinvest”, voltada para quem investe em empresas do mercado aeroespacial. Nela vamos falar com a propriedade de quem acompanha o dia a dia da aviação dos altos e baixos associados às corporações que garantem o transporte aéreo global.

Bom voo,
Giuliano Agmont e Christian Burgos


Editorial negócio Segunda Guerra Bertram Luiz Leupolz Gulfstream Dassault Embraer Aeroinvest

Artigo publicado nesta revista

Twin Otter

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 202,80R$ 405,60R$ 202,80R$ 202,80
Assine Agora porR$ 172,80R$ 302,40R$ 119,96R$ 119,96
Desconto
EconomizaR$ 30,00R$ 103,20R$ 82,84R$ 82,84
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 54,08 6x R$ 47,68
Assinando agora você GANHA também CHAVEIRO PORTA COPOS
Twin Otter

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas