Cumbica em obras

Plano diretor promete transformar Guarulhos em um dos maiores e mais confortáveis aeroportos da América Latina já para a Copa do Mundo de 2014

Robert Zwerdling em 3 de Outubro de 2012 às 11:50

As obras de terraplanagem no local onde será erguido o terceiro terminal de passageiros do Aeroporto Internacional de São Paulo - Guarulhos já começaram, e estão em ritmo acelerado. Agora, será uma verdadeira corrida contra o tempo. Isso porque a concessionária que venceu o leilão para administrar o terminal aeroportuário mais importante da América Latina passa a ter como missão, quase impossível, deixar o terceiro terminal de passageiros (TPS-3) pronto até o início dos jogos da Copa do Mundo de 2014. Além disso, terá de entregar outras obras de infraestrutura igualmente importantes, que incluem a construção de um terminal rodoviário para 22 ônibus, um edifício-garagem com capacidade para atender 2.386 veículos e ainda melhorias substanciais nos terminais de passageiros mais antigos e na área de movimentação de aeronaves. O investimento inicial será da ordem de R$ 3 bilhões.

Se todo o pacote de obras de melhorias e ampliações sair do papel, Guarulhos passará a despontar como um dos maiores e mais confortáveis aeroportos da América Latina. "Estaremos, inclusive, executando obras na pista 09L/27R com o objetivo de deixar Guarulhos pronto para receber aviões de classe F, em especial, os Airbus A380", destaca Antônio Miguel Marques, presidente da Concessionária Aeroporto Internacional de Guarulhos S.A.. Hoje, essas aeronaves só não voam para o Brasil em função das restrições aeroportuárias, lembrando que a Lufthansa, a Air France e a Emirates já demonstraram intenção de trazer o superjumbo ao país em linhas regulares.

O TPS-3 deverá ocupar uma área de 192 mil metros quadrados com capacidade para movimentar 12 milhões de passageiros ao ano. O projeto foi criado por um consórcio formado pelas empresas PJJ Malucelli Arquitetura, Biselli Katchborian Arquitetos (GPA Arquitetura) e Andrade Rezende Engenharia. Basicamente, a estrutura estará dividida em dois setores: o piso do embarque e os mezaninos, que ficarão na cobertura, e a seção inferior, que terá três pavimentos: o desembarque, o nível da pista e um subsolo. "Como temos pouco tempo para executar as obras, vamos utilizar materiais pré-fabricados e metálicos. Será mais uma obra de montagem mecânica do que de construção civil", diz Mário Biselli, um dos arquitetos responsáveis pelo projeto.

A construção do novo terminal está prevista no contrato de concessão do aeroporto, leiloado pelo governo em fevereiro último junto com os aeroportos de Campinas e Brasília. "O contrato, porém, previa um edifício com capacidade para 7 milhões de passageiros ao ano e o projeto que apresentamos prevê, uma capacidade 71,4% maior do que o previsto inicialmente", destaca Antônio Miguel Marques. O administrador adianta que a nova área oferecerá 36 novas posições para estacionamento de aeronaves, incluindo 22 novas pontes de embarque. Com a conclusão de todas as obras, o Aeroporto de Guarulhos contará com quatro terminais de passageiros: o TPS-1 e TPS-4 (utilizado atualmente pela Webjet) serão destinados aos voos domésticos. O TPS-2 receberá voos mistos (domésticos e internacionais) e o TPS-3 receberá, em princípio, apenas voos internacionais de longo percurso.

A Concessionária Aeroporto Internacional de Guarulhos S.A., que é formada pelo Grupo Invepar, pela operadora sul-africana ACSA e pela Infraero prevê que, em 2014, o aeroporto poderá atender com conforto a 43,4 milhões de passageiros ao ano. Atualmente, o aeroporto recebe uma média de 30 milhões de passageiros ao ano, abaixo da capacidade estimada pela Infraero de 31,4 milhões de passageiros, incluindo o TPS-4, entregue neste ano. Porém, é notório que este número não espelha a verdadeira realidade do aeroporto paulista, que sofre com a falta de espaço para passageiros nos saguões, nos portões de embarque, nas áreas de imigração e até nos pontos de café. "Vamos continuar a investir pesado para deixar o aeroporto pronto para acomodar 60 milhões de passageiros até o ano 2022. O aeroporto tem hoje nível de serviço categoria 'C', e às vezes 'D', numa divisão que vai de 'A' a 'F'. A nossa meta é colocá-lo em nível 'A', entre os melhores do mundo", projeta o executivo Antônio Miguel Marques.

DESPACHO ÁGIL
O novo terminal do Aeroporto Internacional de São Paulo-Guarulhos trará para o Brasil o tão sonhado conceito asiático de funcionalidade e conforto para atendimento de passageiros, com grande investimento em estrutura de shopping center, o que inclui restaurantes e lojas de grife, além de salas vip e áreas para descanso. Outra novidade será a automatização do sistema de despacho da bagagem. O passageiro não precisará mais passar pelo balcão de check-in e enfrentar a fila para etiquetar sua mala. Ele poderá fazer isso a partir do estacionamento, ou do meio fio de embarque por meio de esteiras que estarão conectadas a quiosques de autoatendimento de check-in. O sistema já está sendo testado em alguns aeroportos do mundo, entre eles o de Montreal, no Canadá (leia mais em AERO edição 220).

ESTATÍSTICAS (2011)

Passageiros 30.003.428

Aeronaves
270.600

Carga aérea (kg)
515.175.458

A Concessionária Aeroporto Internacional de Guarulhos S.A. destaca ainda que todo o sistema de esteiras de bagagem será reformulado nos próximos dois anos, de modo a agilizar o trânsito das peças entre os balcões de check-in e as aeronaves e das aeronaves para as áreas de restituição de bagagem nos terminais. Até fevereiro de 2013, serão instaladas dez novas esteiras nos terminais 1 e 2. Nos voos internacionais, o número de esteiras passará de 12 para 18 e, nos domésticos, de 8 para 12. Para liberar uma área de 2.000 m² para passageiros e carrinhos no desembarque internacional, o free shop deverá ser realocado. A Infraero, que até então era a administradora majoritária do aeroporto, informa que, recentemente, aumentou a extensão de oito esteiras da área internacional de 100 para 108 metros. Segundo a estatal, foi uma maneira de driblar a falta de recursos já que, em 2008, perdeu uma verba de R$ 20 milhões, até então reservada para as obras de ampliação do sistema de esteiras em Guarulhos, para obras realizadas no Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro.


#Q#

Algumas outras reformas também poderão ser observadas pelos usuários do aeroporto nos terminais antigos. A administração deve ampliar as posições de aparelhos de raios X, instalar iluminação do tipo LED, revitalizar banheiros, escadas rolantes e elevadores; e ainda substituir as placas de sinalização brancas com fundo preto, que são de difícil leitura, por amarelas com fundo preto, no padrão internacional.


FONTE: CONCESSIONÁRIA AEROPORTO INTERNACIONAL DE GUARULHOS S. A.

INTERMODALIDADE
Guarulhos deverá ganhar até 2014 um sistema de monotrilho com operação de trens automáticos do tipo APM (Automated People Mover), por meio dos quais o passageiro poderá se deslocar com rapidez e facilidade entre os quatro terminais. Também terá à sua disposição uma central de transporte urbano, que será construída em frente ao TPS-3. Lá o usuário encontrará uma estação das linhas de ônibus, que hoje estacionam junto ao meio fio de desembarque dos terminais 1 e 2; e uma estação para atendimento dos trens da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), que cumprirão o trajeto da Linha 13 - Jade, entre o aeroporto e as estações do Brás e da Luz, oferecendo conexões para as linhas de metrô Norte-Sul e Leste e Oeste na capital paulista. O único entrave é que o governo do estado de São Paulo suspendeu a licitação para a obra, aguardando uma definição do projeto do trem bala, que ligará o Rio de Janeiro a Campinas, passando pelo Aeroporto Internacional de Guarulhos.

Na opinião dos especialistas, uma coisa não tem nada a ver com a outra, já que na Europa temos aeroportos servidos por trens balas, trens metropolitanos e linhas do metrô. O que se espera é que o governo paulista agilize o quanto antes o início das obras do trem que deveria ter sido entregue quando o aeroporto foi inaugurado em 1985. Os usuários do aeroporto também continuarão na torcida para que as obras do trecho norte do Rodoanel sejam entregues até 2014. Ali haverá uma alça de acesso exclusiva destinada ao aeroporto.


#Q#

Além dos trens do sistema APM, o passageiro que estiver no TPS-3 poderá acessar os dois edifícios de embarque mais antigos em uma esteira rolante com 500 metros de extensão. Outra novidade será a construção de um hotel cinco estrelas na área de imigração com 50 quartos para atender ao passageiro que precisa esperar por voos que partam somente no dia seguinte ao seu desembarque. "Não ficaremos restritos a estes quartos adicionais e já estamos fechando parcerias com outras três grandes redes que trarão excelentes acomodações em futuro próximo nos arredores do aeroporto", revela Marques. Um dos hotéis será erguido próximo ao novo terminal, com ligação por passarela e esteiras rolantes sobre a rodovia Hélio Smidt, e oferecerá 200 quartos de alto padrão. Os outros dois hotéis deverão estar prontos até 2031, ano estabelecido para a renovação do contrato de concessão do aeroporto.

O novo edifício-garagem deverá estar pronto ainda no primeiro semestre de 2013, e ocupará uma área de 85 mil metros quadrados logo à frente da área onde estará erguido o terminal 3. Paralelamente, a nova administração trabalhará na reordenação do atual estacionamento, que hoje oferece apenas 4.138 vagas. Até 2016, o aeroporto deverá erguer novos edifícios-garagem nestas áreas, passando a oferecer até 20 mil vagas cobertas.

PRODUTIVIDADE OPERACIONAL
Em 2013, os pilotos de aeronaves comerciais deverão ter muita paciência, já que diversas obras serão executadas nas pistas de táxi e na pista 09L/27R, que é a maior do aeroporto, com 3.700 metros de comprimento. Ela deverá passar de 45 para 60 metros de largura, de modo a atender os Airbus A380. Espera-se que o aeroporto também reveja toda a sinalização das pistas de táxi e placas de sinalização.

Algumas marcas, como a da faixa de barra de parada localizada no ponto de espera da taxiway "Golf" junto à cabeceira 09L, praticamente sumiram em função das intervenções emergenciais realizadas pela Infraero para tapar buracos. Aliás, hoje as aeronaves são obrigadas a se deslocar em meio a uma verdadeira "colcha de retalhos" na taxiway "Bravo", paralela à pista 09L/27R. Por enquanto, é a única disponível, já que a taxiway paralela, "Alfa", ainda não foi concluída pela administração e os poucos metros que ela oferece estão sendo utilizados para estacionamento de aeronaves durante longos períodos de permanência. A nova administração promete melhorar a sinalização e entregar obras importantes para agilização do fluxo de aeronaves no solo, incluindo a pista de táxi para saída rápida "Alfa Alfa", que permitirá às aeronaves livrarem a pista 27L com maior rapidez após o pouso. Ainda há outras pistas de táxi igualmente importantes que deverão ser construídas ao longo do tempo, como a ligação direta do pátio "Fox" para a cabeceira 09R.

O Aeroporto Internacional de Guarulhos tem atualmente 54 posições para o estacionamento de aeronaves. Até o fim da concessão, deverão ser 130 posições, sendo que 36 delas estarão funcionais até a Copa do Mundo. Outra novidade fica por conta da operacionalização do sistema ILS Cat. IIIA na cabeceira 09R, que deverá reduzir ainda mais o número de voos que pousam em aeroportos alternativos quando a visibilidade é inferior a 350 metros, com teto abaixo de 100 pés, em dias de forte nevoeiro, principalmente durante o inverno. No caso do procedimento de Guarulhos, a aeronave poderá operar com teto zero e Runway Visual Range (RVR) de 225 metros. Os trabalhos para instalação de instrumentos e homologação cabem ao Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), que já concluiu todos os procedimentos, incluindo os voos de avaliação feitos pela aeronave laboratório do Grupo Especial de Inspeção de Voo (GEIV). O procedimento de aproximação só ainda não foi liberado porque existem pendências junto à Agência Nacional de Aviação Civil. A Anac pede que a administração aeroportuária melhore a sinalização das pistas de táxi, principalmente, nas áreas de cruzamento da pista 09L/27R; adote um novo sistema de sincronia do sistema de iluminação de barras de parada com a das luzes verdes, que sinalizam aos pilotos o centro das pistas de táxi; e que se estenda o sistema de sinalização com luzes verdes até os pátios de estacionamento. Como essa instalação exigirá obras demoradas, a administração aeroportuária está solicitando uma autorização provisória, e deverá utilizar veículos do tipo follow me para orientar os pilotos. As demais cabeceiras (09L, 27R e 27L) continuarão operando ILS Cat. II.

Guarulhos opera duas pistas paralelas: a 09R/27L, que atende prioritariamente às operações de pouso, e a 09L/27R, por onde são liberadas as decolagens. A separação longitudinal é inferior a 760 metros, que é o mínimo exigido pela Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) para operações de pousos e decolagens simultâneas. Essa situação trava o tráfego aéreo e uma aeronave alinhada na cabeceira 09L tem de aguardar o pouso na pista 09R, caso a aeronave em aproximação já tenha passado o "marcador externo", para receber autorização da Torre para decolar. Essa situação fica cada vez mais crítica para o aeroporto com o passar dos anos e o aumento na demanda. Com a entrega do TPS-3 e as novas vagas no pátio, a tendência é de aumento das filas para decolagem, afinal, faltam pistas em Guarulhos.

O que poderia ser feito, na opinião de especialistas ouvidos por AERO, seria adotar um tipo de operação que Frankfurt utilizou durante anos até que sua quarta pista fosse inaugurada. O aeroporto alemão também tem duas pistas paralelas muito próximas e, para driblar o problema da falta de uma separação longitudinal adequada, o aeroporto passou a operar dois sistemas ILS para uma mesma pista: um trazia a aeronave para tocar a pista no seu início e o segundo fornecia marcações para que o avião tocasse a pista numa cabeceira deslocada, que recebia numeração diferente de modo a evitar confusões no cockpit. Operando dessa maneira, o controle de tráfego aéreo separava as aeronaves por altitude e não de modo longitudinal. O mesmo modelo poderia ser adotado para a pista 09L/27R em Guarulhos, que é mais longa e possibilitaria pousos em cabeceira deslocada com total segurança para aeronaves de médio porte.

AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO PAULO - GUARULHOS (SP)
Código OACI SBGR
Código IATA GRU
Elevação 2.459 pés
Posição S23 26 08 W046 28 23
Operação H24
Pistas 09R/27L - 3.000 m x 45 m
PCN 85 FBWT
09L/27R - 3.700 m x 45 m
PCN 85 FBWT
ILS 09R 094º 111.5 IGR
09L 094º 110.7 IUC
27R 274º 111.9 IGS
27L 274º 111.1 IBC
ATIS 127.75
Tráfego Guarulhos 121.0
Solo Guarulhos 121.7; 126.9
Torre Guarulhos 118.4; 132.75; 135.2
Administração Concessionária Aeroporto Internacional de Guarulhos S.A.
Websites www.gru.com.br
www.infraero.gov.br


Infraestrutura

Artigo publicado nesta revista


Airbus, Nova Rival da Embraer

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 172,80R$ 302,40R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 43,20R$ 129,60R$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 57,60 6x R$ 50,40
Assinando agora você GANHA também CHAVEIRO PORTA COPOS
Airbus, Nova Rival da Embraer

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar

Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas