Kuznetsov

Continuam os acidentes com aviões russos embarcados

Motivo provável: deficiência do porta-aviões

Ernesto Klotzel em 7 de Dezembro de 2016 às 16:48

O segundo acidente de um avião militar russo nas costas da Síria em menos de um mês acentuou uma debilidade na demonstração da força naval no Mediterrâneo e seu porta-aviões que comanda as operações.

O Almirante Kuznetsov, o único e envelhecido porta-aviões russo, é considerado pelos analistas como inadequado para dar apoio terrestre em um conflito como o da Síria. É um navio muito velho, com tecnologias antigas, não preparado para um regime intenso de voos. 

O Ministério de Defesa da Rússia anunciou na segunda-feira, que ao retornar de uma missão de combate, um Sukhoi Su-33 “Flanker-D” mergulhou no Mediterrâneo quando se preparava para pousar no Kuznetsov. Como já noticiado, o motivo foi o tempo exigido para o reparo de um cabo de frenagem a bordo do navio. O piloto ejetou e foi resgatado pela equipe de busca e salvamento, praticamente ileso. No mês passado, um MiG-29K se acidentou quando seu piloto tentava um pouso de emergência no navio, pouco após a decolagem.

O conflito sírio é a primeira missão de combate do Almirante Kuznetsov que tem um histórico nada lisonjeiro com relação a acidentes a bordo em operações de treinamento, desde quando foi lançado em 1985.

Ao contrário dos porta-aviões modernos, o Kuznetsov não tem um sistema de catapultas e assim os jatos que decolam utilizam uma rampa (lembrando o Ski Jump dos Harrier) tornando as operações de decolagem e pouso muito delicadas. Existem a bordo um número limitado de pilotos qualificados para estas operações e, segundo os analistas, “há poucos pilotos no mundo capacitados para operar nessas condições”.

Quanto à escolha dos modelos embarcados, parece que a inadequação tem continuidade: o Su-33 é um caça para superioridade aérea, projetado para fornecer defesa aérea às forças navais aliadas, bem longe das costas amigas e não para atacar alvos em terra.

O MiG-29K é um caça multimissão capaz de atacar alvos no ar e em terra, e é uma variante embarcada do tradicional MiG-29 mas foi “groundeado”ao menos temporariamente quando um deles se acidentou, deixando as missões a cargo do Su-33.

Classificando como “heroica” a missão do Almirante Kuznetsov pode-se deduzir que o porta-aviões não será chamado de volta tão cedo por Moscou.


Notícias Almirante Kuznetsov Sukhoi 33 MiG 29K Flanker


Airbus, Nova Rival da Embraer

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 172,80R$ 302,40R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 43,20R$ 129,60R$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 57,60 6x R$ 50,40
Assinando agora você GANHA também CHAVEIRO PORTA COPOS
Airbus, Nova Rival da Embraer

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar

Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas