Busca pela produtividade

Operações simultâneas em pistas paralelas próximas podem aumentar a capacidade dos terminais brasileiros

Jorge Barros em 12 de Setembro de 2011 às 14:17

Paulo Mercadante
Jorge Barros

O governo brasileiro busca soluções para aumentar a capacidade aeroportuária do país. As autoridades discutem a construção de novos aeroportos e terminais de passageiros e cargas, o regime de concessão, a exploração privada e a abertura de capital da Infraero. Porém, a abordagem do assunto está voltada apenas para o aumento do espaço físico, enquanto a qualidade desse espaço passa ao largo do debate. A necessidade de atender a um número maior de passageiros e de carga exige aeroportos com maior movimento. Uma alternativa seria aumentar a capacidade dos aeroportos por meio da elevação do fluxo de aeronaves. Hoje, os que operam com uma única pista ou com pistas paralelas próximas entre si chegam a movimentar até 30 aeronaves por hora. No entanto, se a operação for realizada de forma simultânea, teoricamente o número de movimentos poderia dobrar. Por que isso ainda não é feito?

O gerenciamento do espaço aéreo no Brasil ainda considera a metodologia de navegação herdada da Segunda Guerra Mundial. Navegação baseada em auxílios no solo, controle de voo por informações via fonia e procedimentos de aproximação com separações verticais são técnicas utilizadas desde 1948. Felizmente, o Decea (Departamento de Controle do Espaço Aéreo) começa a avançar no aumento da capacidade das FIR (Região de Informação de Voo) e das TMA (Área de Controle de Terminal) com a criação de rotas RNav (Área de Navegação). Tem feito um trabalho satisfatório, mas aquém da necessidade do mercado civil de aviação. Por isso, ainda precisamos viver com aberrações, como a atual proibição de voos da aviação geral na FIR Brasília quando a área atinge o limite de sua capacidade.

Para os aeroportos considerados saturados, procedimentos de aproximação mais modernos poderiam reduzir o espaçamento entre aeronaves, elevando o número de pousos e decolagens. Os Estados Unidos já praticam o procedimento SOIA (Simultaneous Offset Instrument Approaches) desde 2004. O aeroporto de São Francisco foi o primeiro a se equipar. Lá o sistema permite a operação simultânea em pistas paralelas separadas entre 250 e 1.000 metros. Uma delas é equipada com ILS (Sistema de Aproximação por Instrumento), que serve às aproximações para ambas. Enquanto uma aeronave se aproxima por ILS convencional, a outra utiliza o mesmo Localizador, voando uma navegação horizontal paralela (offset). Ambas utilizam a rampa produzida por uma única antena de glide slope. Portanto, no segmento de solo não há mudanças significativas de infraestrutura. As aeronaves se aproximam, separadas horizontalmente, sem adentrar a zona de não transgressão, que é uma área proibida, delimitada entre as duas aproximações, a exemplo do que já ocorre com as aproximações na terminal São Paulo. Aqui as aeronaves que se aproximam da pista 09 de Guarulhos e 17 de Congonhas não podem adentrar uma área estabelecida sobre o aeroporto de Marte, vigiada pelo APP SP.

A vigilância radar nos procedimentos SOIA é obrigatória e efetuada pelo controle de tráfego aéreo para ambas aeronaves, por meio de um radar de precisão. Esse equipamento possui tela de alta definição e a antena cobre o setor de aproximação com grande velocidade de varredura, atualizando as informações gráficas da tela numa frequência superior à dos radares de terminal. Nas aeronaves não haveria necessidade de modificações onerosas, mas os pilotos deveriam receber treinamento específico.

Introdução dos procedimentos soia no aeroporto de São Francisco elevou o número de movimentos por hora em 40%


As autoridades do aeroporto de São Francisco revelam que a introdução dos procedimentos SOIA fez elevar o número de movimentos por hora em 40% nos momentos de pico e com condições atmosféricas ruins. Esse resultado poderia ser melhor nos aeroportos brasileiros que já operam a pleno emprego. Ainda que pátios ou terminais de passageiros e carga precisassem ser ampliados, o custo seria menor que a construção de novos aeroportos. Evitaríamos problemas maiores como o impacto social das desapropriações, menor destruição da natureza e os resultados tangíveis seriam imediatos.

A solução dos gargalos da infraestrutura aeroportuária precisa passar pela análise de novas ferramentas de navegação aérea. Não precisamos de grandes obras, mas de soluções inteligentes.


Plano de Voo

Artigo publicado nesta revista

Labace 2017

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 172,80R$ 302,40R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 43,20R$ 129,60R$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 57,60 6x R$ 50,40
Assinando agora você GANHA também CHAVEIRO PORTA COPOS
Labace 2017

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar



Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas