Brasil emergente

Com o quarto maior mercado doméstico do mundo, país deve incorporar 700 aviões de mais de 100 lugares nas próximas duas décadas, segundo projeção da Airbus

Giuliano Agmont em 8 de Dezembro de 2011 às 13:57

O tráfego aéreo mundial dobrou a cada 15 anos nas três últimas décadas e deve manter essa taxa de expansão até 2025. A projeção é do Global Market Forecast (GMF) 2011-2030, análise produzida pela Airbus. Pelo documento, o crescimento anual de fluxo nos aeroportos será de quase 5%, o que significa um volume de mais de 12 trilhões de passageiros por quilômetros pagos (RPK) durante o ano de 2030. Boa parte desse crescimento, revela o estudo, virá das chamadas economias emergentes, que devem quase triplicar sua participação como origem ou destino no total de voos domésticos e internacionais nesses 20 anos - respondendo por cerca de 70% do volume de passageiros. Nesse contexto, o mercado brasileiro exerce um papel cada vez mais relevante. "O Brasil receberá 700 novos aviões de mais de 100 lugares entre hoje e 2030, um negócios de mais de 80 bilhões de dólares, e será o quarto maior mercado doméstico do mundo, atrás de Estados Unidos, China e Índia, com 1,8% do volume global de passageiros", estima Rafael Alonso, vice-presidente executivo da Airbus para a América Latina e Caribe.

O Brasil puxa o crescimento da América Latina, que deve incorporar à sua frota mais de 2.000 aeronaves de mais de 100 assentos, segundo a Airbus. Serão 1.653 aviões de corredor único, 334 de corredor duplo e 41 de grande porte, o que movimentará cerca de US$ 200 bilhões. Atualmente, o país já é o quarto maior mercado mundial em oferta de assentos e responde pelo maior e mais rápido crescimento latino-americano. De 2000 a 2011, a quantidade de lugares oferecidos no Brasil teve um aumento de mais de 87%, chegando a quase 12 milhões de poltronas. Não por acaso, São Paulo e Rio de Janeiro operam um quarto do tráfego intercontinental da região.

O PIB brasileiro, que cresceu mais de 200% na última década e deve subir pelo menos 140% até 2030, é apontado pela Airbus como o principal responsável pela expansão do tráfego aéreo do país. "A emergência de uma nova classe média trouxe novos passageiros para o transporte aéreo e o Brasil tem uma participação decisiva nesse processo", avalia Alonso, que integrou a edição deste ano do Fórum ALTA no Rio de Janeiro (leia mais na matéria da p. 54). "Outro aspecto relevante é a idade da frota. A idade média dos aviões do Brasil é inferior a oito anos, menor do que a mundial".

Rafael Alonso vê com bons olhos as consolidações na América Latina, como a de Avianca-Taca e TAM-LAN. Também considera o mercado de longo curso uma boa oportunidade para as companhias aéreas brasileiras expandirem seus negócios frente à pressão das estrangeiras. "Hoje, as companhias têm uma gestão mais profissional, com participação de acionistas na condução dos negócios. Isso favorece o crescimento", avalia o executivo.

Rafael Alonso, da Airbus: média de idade da frota brasileira é inferior a 8 anos

Duelo com a Boeing
No âmbito global, a Airbus comemora uma estatística histórica. Depois de mais de uma década de paridade na participação de pedidos, o fabricante francês inverte a posição com seu principal concorrente, a Boeing. Em 1995, a Boeing respondia por 81% dos pedidos enquanto a Airbus detinha 19%. Em outubro último, a Airbus chegou a 72% dos pedidos contra 28% da Boeing. "A Airbus tem hoje mais de 4.200 aeronaves para serem entregues no valor de 542 bilhões de dólares", informa Alonso.


Indústria

Artigo publicado nesta revista


Airbus, Nova Rival da Embraer

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 172,80R$ 302,40R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 43,20R$ 129,60R$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 57,60 6x R$ 50,40
Assinando agora você GANHA também CHAVEIRO PORTA COPOS
Airbus, Nova Rival da Embraer

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar

Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas