Boeing

A Boeing, maior indústria aeroespacial do mundo, mantém estreitos e ininterruptos laços com o Brasil desde 1932, quando entregou à aviação militar do país os caças F4B-4. Com o passar dos anos, aqueles biplanos foram seguidos pelos modelos 256, 267, Stearman, B-17G, 737-200, 707-320 e A-4 Skyhawk. Já no setor da aviação regular, em 1960, o fabricante norte-americano entregou à Varig o primeiro jato 707, que foi seguido pelos 727-100/-200, os 737-200/-300/-400/-500/-700/-800, os 747-200/-300/-400, os 757-200, os 767-200/-300 e os 777-200/-300.

Para consolidar ainda mais esse relacionamento de mais de 80 anos, em 4 de junho último, a Boeing inaugurou seu Centro de Pesquisa e Tecnologia no moderníssimo Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP). Contando já com cinco centros semelhantes nos Estados Unidos, a unidade de São José dos Campos é a sexta fora daquele país – as outras ficam na Espanha, China, Índia, Rússia e Austrália.

A decisão da Boeing de se instalar em São José não foi por acaso. “O ambiente inovador do Parque Tecnológico de São José dos Campos, bem como sua proximidade das instituições de pesquisa parceiras, mais o apoio do município, fazem da cidade o lugar ideal para o trabalho de pesquisa e tecnologia da Boeing no país”, declarou Donna Hrinak, presidente da Boeing Brasil.

Boeing


inauguração

Já na cerimônia de inauguração, ela afirmou que como parte do compromisso de longo prazo da Boeing com o país, o novo Centro de Pesquisa e Tecnologia da Boeing no Brasil se concentrará em projetos colaborativos de pesquisa e desenvolvimento, além de projetos que beneficiarão empresas do Brasil e os brasileiros em geral. O Centro de Pesquisa e Tecnologia da Boeing no Brasil já definiu várias frentes de trabalho e fechou parcerias com diversas empresas e instituições de São José e do estado de São Paulo.

Tecnologias em pauta

Com o DCTA (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial), estudará ciências de voo, energia e meio ambiente, materiais avançados, educação e treinamento em engenharia, assim como metais e biomateriais para aeronaves; gerenciamento avançado de tráfego aéreo; tecnologia de apoio e serviços; sensoriamento remoto, que é a aquisição de informações utilizando satélites e drones, além dos projetos com biocombustíveis sustentáveis.

Quanto aos biocombustíveis, a Boeing estuda a viabilidade comercial de produtos como a cana de açúcar, a soja e uma espécie de palmeira conhecida como macaúba. Em outubro de 2011, a Boeing, a Embraer e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) anunciaram um acordo de colaboração de longo prazo para pesquisa e desenvolvimento de biocombustíveis para aviação. Como resultado, está sendo desenvolvido um relatório lançado em junho de 2013, que foi intitulado “Plano de voo para biocombustíveis de aviação de aviação: plano de ação”. O documento descreve as oportunidades e desafios para a criação rentável, produção e distribuição no Brasil do biocombustível, feito de bioderivados.

“O biocombustível já é usado em alguns aviões, misturado com combustíveis tradicionais derivados do petróleo, pois o desenvolvimento da viabilidade comercial do biocombustível aeronáutico é um projeto promissor no Brasil”, afirmou Al Bryant, vice-presidente do Centro de Pesquisa e Tecnologia da Boeing no Brasil. “O uso do combustível verde não é feito em todos os aviões, não por problemas técnicos, como a adaptação de motores, mas, sim, pela oferta reduzida do produto”, completou o executivo. Algumas empresas fora do Brasil já vendem biocombustíveis para aviões, mas a produção não é feita em grande escala, e o objetivo da Boeing é tornar a produção em escala viável.

Parcerias no país

Para o desenvolvimento das pesquisas no Brasil, a Boeing fechou parcerias com empresas, universidades e institutos do governo. São parceiros a Embraer, a USP (Universidade de São Paulo), a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), o DCTA (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial) e o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Os investimentos e a propriedade intelectual da tecnologia serão divididos entre a Boeing e os parceiros. No centro em São José, será feita a coordenação dos projetos, e a parte prática das pesquisas será desenvolvida nos laboratórios dos parceiros.

Quando a tecnologia estiver em um estágio mais avançado, a ideia é que se criem novos laboratórios onde se possam fazer testes nos aviões e desenvolver protótipos para que o produto venha a ser comercializado. A princípio, a Boeing vai contratar de 10 a 12 pesquisadores para gerenciar os projetos. Os profissionais são todos brasileiros. De acordo com crescimento das pesquisas, mais profissionais devem ser contratados.

“A inauguração deste centro é um marco na história de nossa cidade. Há quase 45 anos, nascia aqui a Embraer, empresa que se tornaria o terceiro maior fabricante de aviões do mundo. Agora, a Boeing, a número um do setor, também está oficialmente representada aqui. Isso é muito importante para o desenvolvimento econômico do município, mas também é estratégico para o estreitamento das relações entre Brasil e Estados Unidos”, disse Carlinhos Almeida, prefeito de São José dos Campos.

Já Paul Pasquier, vice-presidente de Tecnologia Global do Centro de Pesquisa e Tecnologia da Boeing, acredita que o Centro de Pesquisa e Tecnologia do Brasil vai se conectar às atividades de pesquisa que a Boeing tem em andamento em todo o mundo. “O Brasil possui alguns dos tecnólogos mais inovadores do mundo, e este será, com certeza, um catalizador para permitir uma colaboração global que beneficiará tanto o Brasil quanto a Boeing”.


Indústria Fabricante Boeing inauguração Centro de Pesquisa Brasil Parque Tecnológico de São José dos Campos

Artigo publicado nesta revista

AERO Magazine 242 · Julho/2014 · Qual o legado da copa?

A herança do mundial da FIFA para a aviação brasileira

Últimas Indústria

04-10-2015
00:00 O avião conectado
00:00 Visita à fábrica
01-08-2015
00:00 Hondajet no Brasil
15-07-2015
00:00 Novo padrão entre os super mid-size
11-06-2015
00:00 PC-24 levanta voo
24-04-2015
00:00 Um jato reconstruído
25-03-2015
00:00 O novo H145
23-01-2015
00:00 Perspectivas 2015
02-10-2014
00:00 O futuro da aviação leve
01-09-2014
00:00 A350 no Brasil
Mais Indústria »
NBAA 2016

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano



Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas

Mais lidas

1 Caem as entregas, mas há otimismo na Robinson Notícias
2 Diminui o interesse pelos Jumbo Notícias
3 King Air C90GTx começa a chegar ao Brasil Notícias
4 100 aeronaves que marcaram a virada do século 20 para o 21 Notícias
5 Jatos de negócios congestionam aeroportos na região de Davos Notícias
6 Monomotor ou bimotor? Reportagens
7 O jato particular de Trump é melhor do que o Air Force One? Notícias
8 Airlink, da África do Sul, torna-se a primeira cliente do país a adquirir aviões E-Jet da Embraer Notícias
9 Polônia poderá comprar 100 aviões de combate Notícias
10 Janela-bolha para o helicóptero Airbus H125 Esquilo Notícias