Aviação Militar

B-52 pode ser remotorizado

Elevado custo com combustível reacende propostas para modernização do principal bombardeiro da USAF

Da redação em 14 de Outubro de 2014 às 07:00

A USAF (força aérea dos EUA) estuda a remotorização dos veteranos Boeing B-52H. O projeto prevê a troca dos atuais Pratt & Whitney TF33 (derivados do JT3D, usados no Boeing 707) por motores mais modernos e derivados de modelos civis.

De acordo com o General Stephen Wilson, comandante do Global Strike Command, o objetivo é garantir a continuidade das operações dos B-52 até meados de 2040. Atualmente um dos entraves na operação do bombardeiro é o elevado custo com combustíveis, assim como a manutenção constante exigida pelos TF33.

Atualmente a USAF analisa o uso dos GE CF34-10, similares aos utilizados nos Embraer 190, que possuem 20.000 lbf, praticamente a mesma potência dos atuais TF33. A substituição exigiria diversas modificações estruturais, mas manteria parte dos sistemas, já que manteria os 8 motores.

Outra opção em estudo é a substituição por uma versão derivada do Pratt & Whitney PW1135G-JM, que serão empregados no Airbus A321neo e que oferecem a 35.000-lbf. O que permitiria o uso de apenas quatro motores, reduzindo o peso e o consumo.

A remotorização dos B-52 permitirá uma drástica redução nos custos operacionais e um aumento significativo no alcance sem reabastecimento em voo.

Segundo dados do Defense Science Board, em 2004, o custo dos reabastecimentos em voo era de US$ 17,50 por galão, valor quase 14 vezes maior que o custo de reabastecer o avião em solo. Atualmente os custos com combustível são quase três maiores ao estimados em 2004.

No entanto, essa não é a primeira vez que a força aérea estuda substituir os motores dos B-52. Em 1982 foi cogitado utilizar os motores Pratt & Whitney PW2000, similares aos empregados no Boeing 757, mas o projeto foi cancelado devido ao plano de aposentar os B-52 após a entrada em serviço dos B-1 Lancer e B-2 Spirit. Já em 1996, a Boeing em parceria com a Rolls-Royce ofereceu a remotorização, através de contrato de leasing, com os motores RB211, mas o Pentagono rejeitou a proposta devido ao elevado valor do contrato.


Notícias B-52 USAF GE Pratt & Whitney Rolls-Royce CF-34 TF33 RB211 PW1135G PW2000 Airbus A321neo Boeing 707 757 B-1 B-2


Airbus, Nova Rival da Embraer

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano

Assine InnerImpressaImpressaPDF/AndroidiPad/iPhone
1 ano2 anos1 ano1 ano
Edições12241212
Comprando Avulso você pagariaR$ 216,00R$ 432,00R$ 216,00R$ 216,00
Assine Agora porR$ 172,80R$ 302,40R$ 56,70R$ 56,70
Desconto
EconomizaR$ 43,20R$ 129,60R$ 159,30R$ 159,30
Parcelado sem juros no cartão de crédito 3x R$ 57,60 6x R$ 50,40
Assinando agora você GANHA também CHAVEIRO PORTA COPOS
Airbus, Nova Rival da Embraer

Alguns valores poderão variar dependendo da cotação do dólar

Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas