Uma cerimônia da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) na Base Aérea Holloman no Novo México pouco antes do Natal, marcou a retirada definitiva do McDonnell Douglas F-4 Phantom II encerrando uma das mais longas carreiras de uma aeronave militar.

O último exemplar decolou da base para assumir seu papel final como alvo de artilharia terrestre para treinar pilotos em plataformas mais modernas – um fenômeno repetido centenas de vezes ao longo dos anos.

 Os F-4 cederão este papel para os Lockheed Martin F-16 mais antigos, com a mesma designação QF-4. Em 21 de dezembro, data do adeus, só restavam 13 Phantom II. A McDonnell Douglas fabricou mais de 5.000 Phantom II, em diversas versões para a Força Aérea (USAF), Marinha (US Navy) e Fuzileiros Navais (Marines).

Projetado inicialmente como interceptador embarcado, o grande e robusto F-4 foi adaptado para uma grande variedade de missões, de combate aéreo, de bombardeio e de contramedidas eletrônicas, além de poder transportar armamento nuclear. Pilotos elogiavam o F-4 Phantom II pela potência e resistência ao fogo inimigo, embora reconhecendo ser ele mais lento do que alguns adversários. 


Notícias USAF US Navy Marines McDonnell Douglas F-4 Phantom II

NBAA 2016

Assine

Impressa
1 ano
Impressa
2 anos
PDF/Android
1 ano
iPad/iPhone
1 ano



Receba o boletim AERO Magazine

Receba no seu email grátis destaques de conteúdo e promoções exclusivas

Mais lidas

1 100 aeronaves que marcaram a virada do século 20 para o 21 Notícias
2 Diminui o interesse pelos Jumbo Notícias
3 King Air C90GTx começa a chegar ao Brasil Notícias
4 Caem as entregas, mas há otimismo na Robinson Notícias
5 Monomotor ou bimotor? Reportagens
6 O jato particular de Trump é melhor do que o Air Force One? Notícias
7 Janela-bolha para o helicóptero Airbus H125 Esquilo Notícias
8 Polônia poderá comprar 100 aviões de combate Notícias
9 Monomotor turbo-hélice TBM 900 será oferecido com nova aviônica Notícias
10 Novo cargueiro da Embraer vai concorrer com o avião militar mais vendido da história Notícias